8/23/2007

DIPLOMA : Fundamental ou Complementar ?


Está em processo na Câmara o Projeto de Lei do Dep. Eduardo Paes(PSDB), que tem como objetivo regulamentar as atividades do profissional de Marketing. Foi exposto a necessidade de diploma na área para exercer a profissão e a única exceção são aqueles que comprovem que exercem a profissão por pelo menos 5 anos seguidos anteriores a lei, ou seja, essa nova lei é voltada para nós, futuros profissionais, atuais trainees e estagiários que se misturam com profissionais de comunicação e publicidade por aí. A vantagem que nós temos é o fato da proposa ter caráter conclusivo, o que significa que não precisa de votação no plenário e sim, apenas por uma comissão designada para analisar a proposta.

O primeiro artigo da proposta utiliza-se de uma definição para explicar quem são os profissionais de marketing, ele define: "O Profissional de Marketing é todo aquele que desempenha atividade especializada de caráter técnico-científico, criativo e artístico, com vistas a criar e redigir textos publicitários, roteirizar spots e comercias de TV, dirigir peças para rádio e TV, planejar investimentos e inserções de campanhas publicitárias na mídia, atender clientes anunciantes, produzir arte gráfica em publicidade e propaganda, gerenciar contas de clientes e administrar agências de publicidade". SE VOCÊ ACHOU QUE ESSA DEFINIÇÃO INCLUI EM "PROFISSIONAL DE MARKETING", PROFISSÕES COMO RELAÇÕES PÚBLICAS, PUBLICITÁRIO, EXECUTIVO DE CONTAS, DESIGNER GRÁFICO E MUITAS OUTRAS DA COMUNICAÇÃO SOCIAL, VOCÊ NÃO É O ÚNICO !!

O Diretor da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) do Rio de Janeiro, Alexandre Mathias, não concorda com as atribuições designadas no documento. “Há uma confusão no Projeto de Lei. Ele mistura profissionais de Marketing com os de Publicidade e Comunicação”.

O presidente da Associação Brasileira de Marketing Direto (Abemd), Efraim Kapulski, vê benefícios e malefícios na questão. “A regulamentação de profissões de uma maneira geral tem dois aspectos: se por um lado ajuda a disciplinar o trabalho do setor, pode ser vista como uma espécie de reserva de mercado, pois é possível que muitos profissionais de marketing sejam excepcionais sem necessariamente ter uma lei regulando a profissão”, diz o presidente da Abemd. “Há profissões que indiscutivelmente devem ser regulamentadas, como a de médico, por exemplo. Mas até que ponto é necessário regular a profissão de marketing?”, questiona Kapulski.

A regulamentação sempre foi uma das bandeiras Associação Brasileira de Marketing & Negócios (ABMN). “A medida pode gerar uma reserva de mercado, mas acho que a discussão sobre o assunto é importante. Toda profissão tem questões pertinentes a ela”, afirma o presidente da ABMN, Julio César Casares. Casares acredita que houve uma desvirtuação do conceito de profissional de Marketing que pode ser ajustado com a regulamentação. “Marqueteiro tornou-se um termo pejorativo. Está ligado a quem se utiliza de jogadas de Marketing, que são esporádicas, e não à profissão. A regulamentação fecha portas a quem se utiliza dessas condutas”, argumenta.

Apesar da relevância de seus cargos dentro do segmento de Marketing, nenhum dos entrevistados participou da elaboração do projeto. À exceção do professor Vitor Pires, eles também não tinham conhecimento do Projeto de Lei. Entretanto, todos mostraram ter interesse e se disseram à disposição para debater sobre o assunto. E você, qual é a sua opinião sobre a regulamentação da profissão de Marketing?

Entrevistas de Fábio Storino.

2 comentários:

Eduardo Lucci disse...

Fundamental...
Não ha outra maneira de diferenciar um profissional de marketing que lida com parametros estratégicos e obtem um nível altissimo de valor e conhecimento em sua acrreira, com um ser humano que vende yakisoba na esquina e diz que é profissional de marketing.

Totalmente a favor (em alguns aspectos).

Gustavo Santiago disse...

Hahaha Gostei, muito boa a comparação. Mais temos que respeitar outros parâmetros do que é fundamental e complementar. Mais isso é assunto para um post futuro.
Na minha opinião o resgistro do é complementar, porem esse que saiu, acaba deixando muito amplo quais são as áreas, acaba desvalorizando o marketing incluindo outras profissões no meio.