8/19/2007

Roteiro Marítimo

Com o apagão aéreo, estradas ruins, com o movimento "cansei", seja o que for.. Os navios estão em expansão no mercado turístico brasileiro.
Cruzeiros de luxo a cruzeiros com preços competitivos, as agências de viagem estão focadas nos mares para o verão. A demanda de passageiros por navios é bem maior e levam a preferência desses clientes, que antes, preferiam outros roteiros turísticos.




Entre o final do ano passado e o verão de 2007, algumas das grandes estrelas internacionais do mundo dos cruzeiros percorreram o litoral brasileiro pela primeira vez. Um dos destaques foi o SeaDream, considerado o mais luxuoso cinco-estrelas flutuante do mundo. Antes de aportar por aqui, a embarcação já tinha feito fama em viagens pela Europa e pelo Caribe. Com capacidade para 110 pessoas (que são recepcionadas no embarque com champanhe e caviar), o navio é conhecido pelo alto padrão de serviço e por atrações como um spa aquático e um deque que se abre para os tripulantes realizarem passeios no mar de jet-ski, windsurfe ou caiaque. Em sua passagem pelo país, os preços das cabines do SeaDream variaram de 4 200 a 17 250 dólares para roteiros de nove dias entre o Rio de Janeiro e Buenos Aires, operados pela companhia Queensberry. Outro navio que esteve no Brasil pela primeira vez na última alta temporada foi o Grand Voyager, trazido pela CVC. Um dos transatlânticos mais rápidos do mundo, o Grand Voyager levou mais de 800 passageiros a cada saída para passeios de três e quatro noites pela região de Búzios e Angra dos Reis, além de fazer viagens de seis noites para Porto Seguro e Fortaleza. Comparado ao SeaDream, o Grand Voyager foi uma pechincha: o pacote saiu a partir de 552 dólares por pessoa.

Encerrada a alta temporada brasileira, as companhias marítimas e operadoras do setor têm motivos para comemorar. No período, 12 navios realizaram cruzeiros pelo litoral brasileiro, transportando 330 000 pessoas -- um crescimento de quase 40% no número de passageiros em relação ao ano anterior. Somente a CVC, a maior operadora de turismo do Brasil, fretou cinco navios e transportou cerca de 110 000 passageiros. Animadas com esses resultados, as empresas querem bater novos recordes em 2008. A expectativa é que, no próximo verão, cerca de 430 000 brasileiros façam cruzeiros em algum dos 15 navios que virão ao país. "O mercado de viagens marítimas no Brasil é altamente promissor e deve crescer ainda mais", afirma Eduardo Nascimento, presidente da Associação Brasileira das Empresas Marítimas (Abremar).

Enquanto os representantes das companhias marítimas estouram champanhes, seus principais concorrentes, os resorts, lamentam a perda de mercado. Em 2006, o conjunto desses estabelecimentos no Brasil vendeu 1,7 milhão de diárias, queda de 4% em relação a 2005. A taxa média de ocupação no período caiu de 55% para 53%. Cruzeiros e resorts disputam o mesmo tipo de público, ou seja, os turistas que gostam de praia e um bom cardápio de mordomias à sua disposição nas viagens. Essa impressão foi corroborada com um levantamento recente do Instituto de Pesquisa, Ensino e Capacitação de Turismo, órgão vinculado ao Sindicato das Empresas de Turismo no Estado de São Paulo. Segundo esse trabalho, metade dos brasileiros que viajam regularmente nas férias admite trocar as viagens de avião por cruzeiros.
Mas o apagão aéreo não é a única explicação para o avanço dos cruzeiros. Como os pacotes marítimos são cotados em dólar, eles se tornam atraentes em períodos de desvalorização da moeda americana, como atualmente. A política agressiva de preços e a diversificação dos roteiros também têm sido motores desse negócio. Enquanto uma viagem de quatro noites em uma embarcação luxuosa pode custar menos de 900 reais para dois passageiros que dividam uma cabine, um pacote para casal em um resort, durante o mesmo período, não sai por menos de 2 000 reais. Os administradores dos resorts se queixam de que a diferença é fruto de uma concorrência injusta. Uma das vantagens dos navios é que eles não arcam com encargos trabalhistas brasileiros, já que todos têm bandeira estrangeira e operam com mão-de-obra internacional.


Roteiros variados garantem diversão em alto-mar: opções vão de gastronomia a baladas eletrônicas

A Costa e a MSC têm cruzeiros especiais para quem é bom de prato. O Prata Gourmet, que tem saídas de 13 a 24 de fevereiro de Santos no Costa Clássica, reúne gastronomia e enologia. A presença de quatro chefs garante noites temáticas inesquecíveis.

O roteiro Prata all´Italiana, também da Costa, já está em sua oitava edição. Em cada uma das nove noites, é apresentada uma região diferente da Itália. Grupos musicais e cantores italianos também são convidados para shows.

Para deixar o paladar um pouquinho de lado e dar atenção a outras partes do corpo e também à mente, embarque no Bahia Bem-estar e no Bahia Fitness, da Costa, ou no Mar & Ação e no Qualidade de Vida, da MSC. Todos os roteiros têm atividades que fazem qualquer um suar a camisa. No Mar & Ação aulas, palestras, festas na piscina e atividades físicas são coordenadas pela Body Systems.

Um pouco mais zen, O Bahia Bem-estar, no Costa Mágica, parte de Santos de 26 de janeiro a 2 de fevereiro. Embarcar no navio significa conhecer as novas tendências das academias, clínicas e centros de qualidade de vida. O cardápio é especial: o menu é todo de baixas calorias.

Agora quem quer cair no remelexo e requebrar as cadeiras, o Tango & Milonga e o Dançando a bordo, da Costa e o Baila Comigo, da MSC, são as escolhas certas.

Os roteiros, que em sua maioria saem de Santos e vão até a Argentina, têm, além de noites dedicadas a diversos ritmos, aulas, shows e muitas festas temáticas. É a oportunidade perfeita para os amantes da dança viajarem pelos mais diferentes estilos musicais.

Já os navios da Island são perfeitos para quem quer muita agitação. Música eletrônica - e também de outros estilos - não falta nos roteiros Energia na Véia, Party Cruise, Vibe Fest on board e Tribe on board.

Créditos a Carla Aranha do Portal Exame e Christian Brandão do Grupo Viagem.
Postar um comentário