Páginas

9/26/2007

Fusão entre bancos no mercado financeiro mundial


A integração do Banco Real (ABN Amro) e do Santander deverá levar 3 anos para ser concluída e segue na tendência mundial de fusão entre instituições financeiras. Assim como o Itaú com o Bankboston, o HSBC que comprou 51% do KEB (Korea Exchange Bank) que era o sexto maior da Corea do Sul e se torna mais forte, o Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (BBVA) que pegou 100% do banco norte-americano Compass Banschares por 6,655 bilhões de euros, o poderoso CitiGroup que já investiu no Egg Banking da seguradora britânica Prudential e no Bisys por US$ 1,45 bilhão entre outros, fora a provável criação do Banco Federal Absoluto, que prevê a fusão do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal.
Mas no momento o mais falado é do Espanhol Santander, que algum tempo atrás comprou o Banespa (Banco do estado de São Paulo) e já causou dessa fusão uma grande confusão na instituição para seus clientes. O banco acaba perdendo investimentos de muitos anos dos clientes fidelizados do estado, fora os funcionários públicos que recebiam pelo Banespa e passaram a receber pela Nossa Caixa por decisão do governo; Mesmo assim o Santander fez de tudo para continuar com esses clientes que tinham contas abertas por mais de 20 anos, fornecendo benefícios como cartões sem anuidade, limites mais altos, cheque especial, pacotes de tarifas, transferências sem custos de salários, enfim... mas não teve muito sucesso, pois as tarifas eram as mesmas da cultura do banco espanhol, tarifas que não sugavam apenas a carne dos seus clientes, mas o sangue e o osso, mesmo tendo um atendimento diferenciado e preferencial em algumas agencias. Já o departamento de marketing da Nossa Caixa aproveitou e deu os mesmos benefícios para esse público, investimentos melhores e mais confiáveis ganhando essa carteira de clientes fiéis.
E vem por acontecer novamente algo parecido na fusão entre o Real e o Vermelho espanhol. Os funcionários de uma das melhores empresas para se trabalhar (segundo a revista Exame), já estão abandonando seus cargos devido ao risco que a instituição vem correndo. Investimentos caindo, clientes saindo do banco e fora a qualidade de serviço que mudará. Se for concretizada a operação, o Santander vai assumir o controle da unidade de negócios do grupo holandês na América Latina. O principal ativo na fatia espanhola é o Banco Real.
Mesmo assim o Real não para com suas campanhas de Marketing, onde o patrocínio é uma das suas ferramentas essenciais. Na Fórmula 1 será o 9º ano de participação e terá entre comercias e vinhetas 960 inserções na mídia, cota de patrocínio fechada para 2008. Serão veiculadas nas 18 corridas televisionadas pela Globo que começará no GP da Austrália em 16 de Março e acaba no GP do Brasil no dia 2 de novembro. Todo o fechamento da campanha foi negociado pela Lew’Lara, que baseado no pacote de 2007 apresentou um pré-projeto para a campanha. É muito investimento para manter uma marca tão forte do Banco, que está para fundir com a Tourada Espanhola. Agora é esperar para ver.







Enquanto isso os clientes formar os resultados dentro do banco:

Um comentário:

carlinha disse...

Quando se torna um Cartel somente eles tem controle.
é a realidade e a tendência, fazer o quê?
muito bom o artigo.

bjo