9/14/2007

Marcas brasileiras fazem planejamento estratégico para entrar na temporada de moda de NY


Uma nova safra de marcas brasileiras investe no mercado americano a partir deste ano. São pelo menos quatro as que já traçam um plano estratégico de entrada na 7th On Sixth, a semana de moda de NY.

Colcci, Cavalera, Osklen e Daslu confirmam o movimento de migração e a Rosa Chá, que já desfila na temporada nova-iorquina desde 2000, passa agora a dar maior atenção aos seus desfiles promovidos na cidade. (Entenda a estratégia de cada marca aqui)

"Hoje, se uma marca quer se globalizar ela precisa participar de uma semana de moda no exterior", defende Edinho Vasquez, o diretor de marketing da Colcci, que pertence ao grupo AMC Têxtil, de Alexandre Menegotti, e que estréia em setembro na semana de moda de NY. "É assim que o grupo AMC Têxtil pensa e queremos fazer isso com a Sommer também", diz Edinho.

"Primeiro precisou que as modelos saíssem, agora são as marcas brasileiras que querem ir. É um processo natural", diz Ricardo Gonzales, consultor de imagem e estilo da Cavalera, que já acertou a entrada da grife no mesmo evento e que pretende fazer seu primeiro desfile em 2007.

Antes de estrear por lá, a marca do empresário de moda Alberto Turco Loco, prepara o terreno para sua chegada à cidade. "Estamos montando uma estrutura, queremos fazer tudo com calma", afirma Ricardo.

"Nossos estilistas estão indo com consistência, vamos com uma força de grupo", continua. "Quem quer ser grande precisa conquistar outros mercados", completa Edinho, da Colcci.

A Daslu também anuncia sua entrada na temporada de NY. A marca, que já estabeleceu um showroom na temporada de moda de Paris, agora pretende marcar presença com outro em NY, em frente às tendas montadas no Bryant Park, onde acontecem os desfiles.

"Nos showrooms de Paris, em que nem todos os lojistas americanos vão, os EUA já são o terceiro maior comprador da marca, com 25% das exportações da Daslu", conta a empresária Eliana Tranchesi.

A Osklen é outra que começa a dar os primeiros passos para sua entrada no line-up dos desfiles de NY. "Fomos convidados mas ainda não está nada definido", afirma Oskar Metsavaht, dono da marca. "Estamos aguardando que as conversas sobre o assunto avancem", completa Vladimir Sibylla, gerente de marketing da Osklen.

Integrante da primeira geração de marcas brasileiras a invadir a 7th On Sixth, a Rosa Chá de Amir Slama entra agora em novo momento: se desliga da SPFW e passa a lançar suas coleções da Rosa Chá internacionalmente, sempre na temporada de NY.

Segundo Amir, as exportações da Rosa Chá correspondem hoje a 20% de sua produção. "Existe uma série de novas solicitações e franquias no exterior e a expansão para outros mercados se faz necessária", declara o empresário em um comunicado oficial da marca à imprensa.

A Daslu vive a mesma situação. "O sucesso que a marca conquistou mostra que vale a pena continuar investindo nas exportações", diz Eliana. "De 2002 a 2005 expandimos nosso faturamento com exportações de US$ 100 mil para US$ 3,5 milhões e nossa expectativa é faturar US$ 8 milhões até o fim de 2006", finaliza.

Para marcas que vão para NY mercado brasileiro não está saturado nem em crise.

NA FOTO, OS EMPRESÁRIOS ELIANA TRANCHESI, DA DASLU, TURCO LOCO, DA CAVALERA E AMIR SLAMA, DA ROSA CHÁ, E A ESTILISTA LILA COLZANI, DA COLCCI

Reportagem de Hermano Silva, grande amigo.
Postar um comentário