7/13/2009

Inteligência de Mercado

Todos os bons e conceituados profissionais de marketing que lidam com grandes marcas e ampla evolução de um mercado competitivo trabalham com diferentes métodos e estratégias que fazem a diferença na hora de posicionar uma empresa entre os meios de comunicação, seja B2B ou B2C. O que acontece é que além de você ter que trabalhar a finco em diversas áreas diferentes que o marketing abrange, também se deve estar atento as mudanças contínuas da economia e dos consumidores que afetam, de alguma maneira, a sua vantagem competitiva e o acerto ao target principal da organização. Quem trabalha com inteligência de mercado sabe onde procurar informações e em quais fontes lhe dão acesso a uma janela que mostra a evolução constante dos índices de consumo, as empresas que estão inovando no mercado, os produtos que começam a ser mais consumidos devido milhares de novas tecnologias e serviços que revolucionam a qualidade de vida, fora às influencias culturais proporcionadas pelo avanço rápido da globalização e informação. Com tudo isso vem os apelos econômicos unidos pelos blocos existentes pelo mundo que fortalecem “linhas de mercado” que se estendem pelo globo satisfazendo de alguma forma, o consumidor final em algum país totalmente diferente do nosso. Agora como nós paramos para cruzar todos esses dados que parecem ser insignificativos para quem vai trabalhar em uma micro-região? A resposta é simples: Lidar com as tendências ! Bons exemplos nós podemos ver hoje com qualquer empresa que antes, nem aparecia em índices ou anuários como o Melhores e Maiores da Exame (editora Abril). Até mesmo pedir uma explicação para os consumidores viciados em fumo que fizeram da Souza Cruz a 2ª maior empresa no ranking de Agronegócios da região sudeste do país. Leis de incentivo anti-fumo, barragem em diversos meios de comunicação e publicidade, não fizeram com que uma empresa de tabacos perdesse mercado frente a diversos outros produtos que as empresas de agronegócio podem oferecer também, ainda mais em um mercado emergente como o nosso e com indicadores do IPC que mostram o fumo, como um dos menos consumidos! Bom, frente a tudo isso, as empresas devem estar a frente de posicionar a marca e não deixar uma nova onda vinda das variáveis de mercado prejudicar o seu planejamento. É como dar um doce para uma criança, mas ela tem que estar com fome, te conhecer, confiar em você e gostar de doce, assim você descobre quando e onde ela quer o doce e pronto, cruza os dados sejam eles quantitativos ou qualitativos e vende o seu produto, marca, nome, idéia ou serviço. Isso é inteligência de mercado, é pesquisar o mundo, enxergar tendências, saber onde investir, fabricar, trabalhar, transportar, comunicar, oferecer e vender. Só que a melhor parte de todo esse processo para qualquer empresa, é ver o bom resultado do ROI e a criação das novas oportunidades perante muitas forças competitivas do mercado. Agora resta saber, quem é mais inteligente, o fabricante ou o consumidor.

Postar um comentário