8/19/2009

Ruídos de comunicação

Vivemos em um mundo em que muitas vezes, nos deparamos com várias ferramentas de comunicação ao nosso lado, o que acaba explodindo nossas mentes de tanta informação ao mesmo tempo. Frente ao costume, nem reparamos o quanto estamos à mercê de tanta informação ao mesmo tempo. Bastam essas no trabalho, ao lado do telefone, pilhas de revistas, jornais, anuários e em frente ao computador, viajamos dentro do grande fluxo de informações no nosso dia-a-dia. É a caixa de entrada dos emails aberta, programas de mensagens instantâneas como o MSN (seja para contatos do trabalho, família ou amigos), skype para ligações de longa distância, twitter para receber tópicos do seu interesse (ou mandar outros da sua empresa), sites de relacionamento básicos como Orkut, Facebook etc, o inseparável celular (sair sem ele, é como sair nu por aí), Nextel para levar alguns sustos ao longo do dia e, para completar, coloque os fones de ouvido e se plugue na era da múltipla informação em tempo real! Ufa, quanta coisa! Para nós, que trabalhamos assim todos os dias, precisamos nos desligar por alguns momentos da era tecnológica, mas aposto que nem dormindo muitos deixam o celular ligado o mais próximo possível. Eu aconselho a não fazerem isso tudo em casa (façam o que eu digo, mas não façam o que eu faço) pois você pode chegar próximo a ter uma crise de excesso de informações por culpa única e exclusivamente sua. Mas vamos deixar os efeitos colaterais de lado e focar naquilo que é imprescindível na hora de receber ou mandar uma informação: Os ruídos da comunicação.

Basta um simples erro na hora de falar, ou na maneira de interpretar aquilo que é repassado, que tudo pode ir por água abaixo, como um trabalho elaborado em um longo tempo, um cliente conquistado com muito esforço ou até mesmo a salvação da humanidade. É como se fulano estivesse desarmando uma bomba e beltrano pedisse para desligar o fio vermelho, ele entendesse que é o azul e com o alicate na mão, tudo está acabado. Pois bem, frente a qualquer dúvida, não custa nada perguntar ou repetir novamente um briefing, para que no final não saia nada de errado ou nenhum arquivo seja enviado incorretamente melando toda uma produção, um projeto, algo muito importante no trabalho ou até mesmo na vida pessoal. Errar é humano, mas persistir no erro, estar desatento às orientações, tomar decisões sem informações preciosas, isso sim é grave. Isso vai minar a confiança no seu trabalho. E confiança é tudo numa relação de trabalho ou em qualquer outra na sua vida.

Postar um comentário