11/03/2009

Você é o que você come !

Imagem: acervo web

Essa afirmação é levada em conceito quando o estudo se trata do comportamento de compra do consumidor. Com o mix cultural que é gigantesco, vindo da colonização que o nosso país teve, possuímos diversas necessidades trazidas de outras culturas espalhadas pelo mundo inteiro, necessidades centenárias que se estendem até hoje. O que me orgulha no Brasil é saber que, mesmo com tantos problemas, vivemos em uma terra de harmonia entre povos do mundo, com culturas, comportamentos e necessidades diferentes.

Aumenta então o já grande leque de opções que é oferecido pela indústria de alimentos, para o Brasil e para o mundo. Onde tudo é produzido, tudo é vendido, sendo em grandes proporções ou pequenas escalas, mesmo que sejam por pequenos fornecedores espalhados pelas terras tupininquins, as grandes empresas estão ajudando a impulsionar a nossa venda servindo de marca guarda-chuva para dar as caras lá fora.

O Brasileiro adora molhos e tenho certeza que você, já comeu algo muito saboroso vindo desses produtos, com um tempero cultural na indústria de alimentos. Eles estão em todo lugar, nos pequenos mercados de bairro até nas prateleiras de gigantes do varejo como Wal Mart, Carrefour, Pão de Açúcar ou algum produto da Unilever.

A Sakura, de cultura japonesa está nesse mercado dês de 1940. E ela pode ter dado um saborzinho a mais em muita coisa que você já comeu por aí. Um dos produtos é o molho Shoyu. E dês de sua criação a marca vem se reinventando e descobrindo a necessidades dos clientes. Ela produz no Brasil 40 mil toneladas por ano e hoje já tem até molho shoyo na versão light. Mas a inovação não pára por aí.

Foi em um estudo de mercado, focado nos produtos que beneficiam a saúde dos consumidores que encontrei esse case. A organização trabalha de acordo com as exigências dos novos consumidores, daqueles que pensam cada vez mais na saúde e levam o estilo wellness de viver muito a sério, na hora de comer ou na decisão de compra de um produto. No site, ela possui uma página que é com conteúdo de saúde e nutrição, muito bom por sinal. A Sakura está investindo para reduzir o teor de sódio nos alimentos. E investimento não é novidade.

Além do mercado dos molhos, a inovação no portfolio é latente: legumes em conserva, coberturas doces, saquê, licor e até vinho! E é nessa sinergia cultural e domínio de mercado da empresa que ela determina novos segmentos em desafio, como: petiscos, chás e bebidas não-alcoolicas. Quem disse que é só a Coca-Cola que quer dominar o mundo?

Deixo aqui o começo da história, de uma empresa brasileira, fundada por um imigrante, que trouxe a cultura junto com a sua inteligência e determinação que é vivenciada até hoje pela terceira geração, com muita inovação e que segue a tendência wellness como necessidade de hoje e não do amanhã.

Ele era jovem, na casa dos 20 anos de idade, e não poderia trabalhar com a família nas lavouras de café, foi então que a família decidiu despachá-lo para São Paulo. Suekichi Nakaya foi trabalhar como balconista. Percebeu a necessidade dos fregueses, amigos e familiares imigrantes em produzir shoyu e missô. Ela surgiu em 1940, produziu, cresceu, inovou e hoje, na sua terceira geração, promete investir R$25 milhões com recursos próprios para atender a nova demanda de consumidores wellness, reduzindo o teor de sódio do molho shoyo.

3 comentários:

Ana Paula Moreira disse...

Muito bacana essa história. Uma pessoa de visão e empreendedora percebe o que falta e o que ela pode fazer para se dar bem. Parabéns pelo blog. Muito interessante!!

Igor Pinheiro disse...

Nossa, bastante interessante, mesmo. Essa coisa toda de mix cultural acontece mesmo e está sempre no nosso dia-a-dia, é só parar um pouco e olhar ao redor para perceber...

Tatiane Rosa disse...

Muito interessante,não sei porque me fez lembrar do macarrão italiano,aqui em casa só comemos macarrão italiano,não é que seje frescura é que em todos os supermecados daqui do RJ o macarrão de exportação tomou conta e muita gente tá deixando de comprar o brasileiro para comprar o importado.
por ter uma massa melhor e etc...
Vendo tbm outra coisa que está tomando conta é o molho de tomate importado,aqui em casa ainda optamos pelo velho extrato do elefantinho hehehehe,usamos tbm muito shoyu,molho inglês.
Uma coisa que pude observar é que o mercado de importação de alimentos está cada vez mais se ampliando,porém não vejo o mesmo com a exportação,o leite condensado é exclusivamente brasileiro para encontrá-lo na europa é muito dificil só alguns mercados possuem,feijão então nem se fala...Eu tenho um amigo que faz compra aqui e paga na federal para levar pra consumir na Europa isso é absurdo,voltando ao leite condensado,meu amigo para compra leite condensado tem de viajar para outra cidade para encontra-lo.
Devia ter uma lei mais ampla quanto a importação e exportação porque pelo que vejo funciona tudo na base de seleção.