1/30/2015

Zappos aposta em uma loja pop-up com "corredores infinitos"


EXPERIÊNCIA DO VAREJO FÍSICO PARA O DIGITAL - PHYGITAL

Em uma ação ousada realizada pela Zappos na cidade de Las Vegas os consumidores tiveram uma experiência realmente fora da caixa - e dentro dos corredores - ao passear pela loja Pop-Up 24 horas.

A loja foi aberta em um espaço de mais ou menos 6.000 mil metros quadrados, incluindo corredores infinitos que passavam por diversos departamentos, todos customizados como sem fossem lojas diferentes, proporcionando uma sensação de estar em um shopping.

Entre os corredores, os clientes podiam encontrar artigos de vestuário masculino, feminino, infantil, fitness, acessórios e uma grande linha de produtos com a assinatura Zappos: os sapatos. Sendo que o principal departamento da loja, o de sapatos, ficou no fundo da loja, fazendo com que os visitantes passeassem por todos os ambientes.


Mesmo com a loja aberta durante 24 horas no local, a equipe necessária para realizar o atendimento aos clientes era mínima, já que a tecnologia disponível nos departamentos os ajudavam a encontrar os produtos da loja no online, escolher opções de tamanho e cor e finalizar a compra na internet, recebendo o produto em sua casa um dia após a compra, de graça.

Mesmo com pouco funcionários, os clientes podiam solicitar a ajuda de um deles dentro da loja, utilizando Beacons. Além de um sistemas POS mobile que permitiram que os compradores pudessem conferir a mercadoria física no digital.

Fora isso, o espaço também contou com a tecnologia de realidade virtual fornecida pela empresa OrderWithMe, onde podiam, ao lado de um único item, visualizar diversos pares de sapatos passando em 3 paredes a sua frente. E, pelo toque das mãos, podia pegar o item escolhido e jogar dentro da cesta de compras.

Confira abaixo o vídeo da Pop-Up store:

1/22/2015

P de Propósito. P de Pessoas!


Pertencimento, mudança no papel do líder e foco na sociedade são as chaves para o sucesso das empresas na busca pelos novos talentos

A 4ª edição da pesquisa Millennial Survey, elaborada pela Deloitte, destaca a importância de empresas em todo o mundo repensarem as estratégias para reter e atrair novos talentos

Dar um propósito maior ao trabalho. É este o recado transmitido pelos jovens nascidos após 1982 e que compõem a geração “Millennial”, também conhecida como “Geração Y”. Esta forma de criar um propósito mais amplo ao trabalho vem do apontamento feito pela maioria dos participantes (75% pela amostra global e 83% pela brasileira) que afirma a necessidade das empresas em se empenharem mais pelo todo – com ações e esforços com resultados mais amplos a toda a sociedade e não apenas concentrados em seus próprios negócios.

Este é um dos principais resultados da 4ª edição da pesquisa “Millennial Survey”, organizada pela Deloitte, uma das maiores consultorias e auditorias do mundo, em parceria com a Millward Brown. Mais de 7.800 profissionais ao redor do planeta (sendo 300 do Brasil), nascidos depois de 1982, já graduados e que atuam em empresas com mais de 100 funcionários participaram da nova edição.

O estudo mostra também o que esses jovens esperam das organizações, dos governos e do ambiente de trabalho no futuro e as conclusões sugerem que as empresas vão precisar realizar mudanças significativas para atrair e manter a força de trabalho futura. Apenas 28% dos Millennials sentem que a sua organização faz uso pleno de suas habilidades. O Brasil acompanha essa tendência, já que 27% dos seus 300 participantes concordam com essa afirmação. Considerando a América Latina como um todo, incluindo o Brasil, esse número é de 24%, dentre os 1.725 respondentes. "A mensagem é clara: quando eles olham para seus objetivos em relação a sua carreira, os Millennials estão tão interessados em como uma corporação contribui para a sociedade quanto em quais são os seus produtos e lucros”, aponta Barry Salzberg, CEO Global da Deloitte.

Ao tratar do desenvolvimento de sua carreira, mais da metade dos Millennials (53%) aspira ocupar o cargo de CEO ou líder da empresa em que trabalha. No cenário brasileiro e na América Latina, essa aspiração ganha ainda mais força, com 64% e 62% respectivamente. O dado geral e o dos mercados considerados emergentes, incluindo o cenário latino-americano, diferem quando comparamos apenas com os mercados já desenvolvidos, em que apenas 38% almejam cargos de liderança.

Mais informações e dados da pesquisa neste link.

1/15/2015

Insights para o varejo por Ricardo Nunes da Ricardo Eletro


A Ricardo Eletro é uma gigante varejista de loja física que também atua no e-commerce, fechando um faturamento de 10 bilhões em 2013.

O Ricardo Nunes conta a sua experiência e fala da sua confiança na equipe que atua no online.

Ricardo é uma peça em pessoa. Animado, com uma história incrível, enfrentou desafios e prosperou. A palestra dele é uma aula e vale frisar os higlights:

- Ousadia: uma placa gigante escrito "cobrimos qualquer oferta" - Tem como vender barato se tiver estratégia. O que não pode é perder dinheiro.

- Varejo físico tem que gostar de gente. Tem que sentir o cheiro do cliente.

- O pensamento do cliente é ".com" ou não é ".com"?

- Não ter vergonha de trabalhar, Lavar chão, pintar chão de loja...

- No lugar de mandar, tem que fazer junto #Liderança

- Fique longe do negativismo. Acredite no impossível e evite pessoas pessimistas.

- Ninguém dá nada pra ninguém. A vida é uma troca.

- Dar muito e receber pouco. Porque as pessoas querem dar pouco e receber muito.

- Quem tem sucesso é quem dá conta de apanhar. Quem tem couro duro.

- Entenda do seu negócio mais do que todo mundo.

- O que o consumidor está pensando?

- Foco é tudo. Não seja "Maria Vai com a outras"

- Nós lidamos com gente. Precisamos cuidar das pessoas, depois dos processos.

- Humildade não é ser tolo, é tratar as pessoas bem. A vaidade quebra o profissional.

- Abordagem: em 2 minutos você precisa saber o que o cliente quer.

- A gente precisa voltar a ser vendedor de sapato: pegar nos pés do cliente.

Assista a palestra inteira abaixo:

1/13/2015

De volta

Já se passaram 2 anos usando mais o wordpress e envolvido em outros projetos que acabei deixando de publicar aqui, mesmo com um aperto no peito por saber que o MKTfocus no blogspot foi o começo de toda essa história de relatar os insights de mercado. E isso não pode ficar pra trás.

Nesse meio tempo não parei de escrever. Colaborei para os blogs do Laboratorium e E-Commerce Brasil, com conteúdos voltados para o empreendedorismo e comércio eletrônico. Um aprendizado gigantesco com pessoas extremamente capacitadas sobre os assuntos.

E ter pessoas boas, entusiasmadas e realmente comprometidas com o que fazem no mercado é uma grande boa sorte. Se você tem, agradeça por isso e preste atenção no melhor que cada um pode te oferecer.

Aprendi tanta coisa bacana que a minha gratidão pelas pessoas que estiveram conectadas de alguma maneira é imensa. Trabalhar com marketing de conteúdo (o que é um prazer por estudar a cada dia) te faz acompanhar de perto o que acontece no mundo dos negócios. Seja nos eventos, cursos, workshops e palestras, o aprendizado é sempre muito grande e valioso.

Conheci empreendedores com brilho nos olhos, com entusiasmo no que fazem. Sejam eles varejistas ou pessoas que oferecem soluções para o mercado eletrônico, empresas consolidadas e startups inovadoras.

Espero que agora, em 2015, eu possa compartilhar um pouco do que aprendi a cada semana aqui com vocês.

Um forte abraço.

Sobre ser simples


Voltando ao blogspot depois de alguns testes com o blog no wordpress, pelo fato de não ser tão simples, como vínhamos fazendo aqui no Blogger desde 2007.

O primeiro post de 2015 é focado neste tema: simplicidade.

Se você quer atuar em um mercado competitivo, terá que entregar resultados. E mais do que entregar, fazer com qualidade. Mas também não pode perder dias de processos burocráticos para entregar algo de valor.

Ambientes onde a organização é extremamente vertical, que exigem repasses e autorizações entre uma equipe multidisciplinar cheias de cargos inflados por egos, dificultam muito este processo.

Um mero exemplo deste caso é a criação de uma arte pelo design. Que segue um processo mais ou menos assim:
- O cliente solicita uma publicação imediata;
- O atendimento repassa isso para a criação;
- O planejamento pensa na ideia e passa o brienfing para a criação;
- Os designers, no seu tempo enrolado, se viram nos 30 e fazem 3 versões da arte;
- As versões são rejeitadas pelo planejamento e os designers devem fazer alterações;
- A arte é aprovada pelo planejamento e segue para o atendimento;
- O atendimento apresenta para o cliente;
- O cliente rejeita (volte 7 casas);
- O cliente aprova e todos vivem estressados para sempre.

Ora bolas! Por que diachos a criação não foi junto na reunião?

Por que o designer não pode falar direto com o cliente?

Por que não estreitamos os laços para aprimorar o nosso relacionamento com os clientes e fornecedores a fim de entregar tudo em dia?

Em tempos de imediatismo, não dá pra gastar tempo com a síndrome do pequeno poder. Queremos resolver as coisas o mais rápido possível e com a qualidade que merece cada job.

Em um curso que participei na General Assembly, escutei uma frase da Julie Zow que não sai da minha cabeça: "Small is the new big". E é nesse sentido que tenho atuado em meus projetos, sejam eles pessoais, no Laboratorium e no E-Commerce Brasil.

Os desafios são grandes, não é fácil atuar com outras pessoas. Mas é aí que está o grande segredo: o sucesso está no processo e não no resultado final.

Estar atento a cada detalhe a fim de encurtar caminhos e quebrar a burrocracia das empresas é um dom pra quem deixa o ego de lado e abaixa a cabeça ao aceitar novas ideias no meio do caminho.

Pensar simples é pensar refinado. É mais do que ter ou estar, é uma questão de SER.