11/30/2009

O QUE TEMOS PARA 2010 ?

Relatório de tendências da Trend Hunter MAG para 2010.


20. Personalizações tangíveis - Os consumidores vão desejar cada vez mais produtos personalizados.

19. Unservice Forward - Unservice não só poupa-lhe dinheiro, mas também permite que os clientes tenham um senso de independência e controle criativo nos estabelecimentos, será o começo do fim dos vendedores?

18. Peacocking – Pode ser entendido como “empavonação” em português. Lembram do pavão? Pois bem, é o como se denomina os consumidores que gostam de chamar a atenção na forma de se vestir, usando um look super colorido, como um verde claro florescente ou um óculos laranjíssimo, acessórios e roupas não são só para as mulheres, homens também estão usando.

17. Rental Culture – Seria um aluguel de experiência. O que já existe e está se expandindo para produtos e serviços cada vez mais bizarros. Artigos de luxo, roupas, bolsas, brinquedos para bebes e arte são apenas alguns exemplos do movimento.

16. Half Formal – O “metade formal” que já passou pelas passarelas e está nas ruas, traz o conceito de se vestir com metade de um conjunto de costume formal, como shorts com paletós, blazers com jeans, roupas semi... formais.

15. Prodependancy – Casais da nova geração estão mais propensos a agir em conjunto do que as gerações do passado. Então pense neles!

14. Not-So-Tricky Picky - “Não é mais complicado ser exigente”. Com a onda dos selos de excelência e de qualidade nos produtos e serviços, ficou mais fácil para o consumidor escolher algo próximo da perfeição.

13. DIY Healthcare - Esteja preparado para uma nova era de cuidados com a sua saúde tendo tudo na palma da mão. Exames, sensores de estresse nos relógios e monitores de fertilidade.

12. Nostalgia Marketing - Desenhos monstruosos, photoshoots e Alice in Wonderland, o sentimento Storybook apanhou os consumidores que procuram escapar de problemas econômicos e buscar refúgio nas fantasias do seu passado.

11. Crowdsourced Campaigns – Anúncios gerados pelos consumidores que podem ser bons ou ruins para as marcas. Fruto da liberdade de expressão na internet, cada vez mais forte e que assusta as empresas.

10. Exposed Vulnerabilty – “Vulnerável à exposição”. A mídia social redefiniu o nosso acesso à vida pessoal de ícones no mundo, celebridades e amigos.

9. Emotionology – Uma mistura de emoção com tecnologia. Ela não está envolvida apenas entre os seres humanos, agora está vindo em gargalhadas de alegria ou berros de um choro nos produtos.

8. Simpletising Fruit - Em um mundo desordenado, a clareza visual nas embalagens de produtos realmente se destaca.

7. Ecopolitan - Quer se trate de uma morada subterrânea, casa flutuante ou um edifício totalmente eco-sustentável, o desenvolvimento das metrópoles com foco ambiental está rapidamente se tornando um modo de vida.

6. Greenpliances – (Appliance é um equipamento desenvolvido e configurado para executar uma função específica dentro de um sistema) máquinas de lavar louça, máquinas de lavar roupa e armários de louça em miniatura, não só vão colaborar com o meio ambiente, mas ao longo do tempo, a sua maior eficácia vai ajudar a sua carteira também.

5. Nomadabodes - A recessão em combinação de uma arquitetura criativa com um alojamento temporário exclusivo, faz a “casa nômade” ser uma promessa para o futuro próximo.

4. Pop-Uptailing - Os varejistas usam conceitos temporários para criar a conscientização de uma marca mais rápida. (lembram Pop-up-stores aqui no MKTfocus?)

3. Life-Swapping - Você pode trocar casas, arte, serviços ou mesmo o seu guarda-roupa do armário inteiro. Antes, ter produtos usados era brega, hoje, se um se encontra em bom estado, além de ser uma troca sem dinheiro, ajuda o mundo com o custo de produção de novos produtos.

2. DIY Décor – DIY (Do it yourself) trás de volta o conceito “faça você mesmo”. Arte, mobiliário e hobbies são a saída perfeita para aqueles que estão de crédito triturado e não podem investir investir dentro de casa. Criativos, sejam bem-vindos.

1. Next Besting - Em vez de comprar o produto pelo preço ou pela maior marca, as pessoas estão tentando novos produtos, na busca da "próxima melhor alternativa". Ou seja, os consumidores estão deixando de ser passivos na compra e experimentando novos produtos.

Fica a dica...

Fonte: @trendhunter

A sinergia da comunicação ao vivo


O aumento do novo boca-a-boca digital - usado pelas mídias sociais e outras plataformas – poderá influenciar fortemente as estratégias de comunicação e planos de mídia para grandes eventos como o Super Bowl que ocorrerá em Fevereiro e a Copa do Mundo em Julho.

Pete Blackshaw, vice-presidente executivo de serviços digitais estratégicos e Randall Beard, vice-presidente executivo e gerente geral da Nielsen IAG, disseram para revistas especializadas que as redes sociais, como Twitter e Facebook ganharam mídia nos últimos tempos e agora começam a ser testados para cobertura de grandes eventos, tanto por parte do evento, como na divulgação de patrocinadores.

A recombinação de plataformas como tweets inseridos em perfis do Facebook, vídeos e links ao vivo do Youtube adicionados a blogs e os serviços de busca para tweets aumentaram o chamado Alcance das marcas dentro da mídia e a longo prazo consegue-se que a cobertura de um único evento seja disseminada com maior amplitude, principalmente quando a combinação envolve canais abertos.

A Nielsen citou o exemplo da Nationwide Insurance, que há três anos divulgou no intervalo do Superbowl um comercial protagonizado pelo ex-marido da Britney Spears, Kevin Federline, que arrebatou mais de US$ 50 milhões de dólares em mídia espontânea em TV, rádio, revistas impressas, blogs, sites, buscas no Google e tópicos no Orkut. Agora, no Ano das Mídias Sociais no Mundo, o espaço ganho pode atingir a casa dos US$ 100 milhões, devido à sinergia dessas plataformas.

Os marketers estão considerando a utilização das mídias sociais para ajustar as ações de marketing em "tempo real", em outras palavras, os eventos ao vivo. Para entender o que estou dizendo basta acompanhar pela internet (Twitter, Facebook, Google Search e alguns blogs especializados) um jogo do Brasileirão, o desfila ao vivo da Victoria´s Secret ou uma premiação da MTV para verificar que a audiência trabalha em paralelo a TV os canais de comunicação da internet, justamente porque a TV não permite esse tipo de interação e resposta.

Tais esforços ajudam a criar um maior campo de influência para patrocínio de eventos, como o Super Bowl, já que quando se trata de pagar cerca de US$ 2,5 milhões, 2,7 milhões dólares para um comercial de 30 segundos tradicional, quanto maior o retorno, melhor.

Indo mais fundo, a Nielsen afirmou que as marcas precisam agir de forma integrada e se possível, estratégica, para tirar o máximo proveito da aquisição do espaço publicitário. O público do evento, por mais mainstream que seja, possui uma segmentação que é refletida também na internet.

Ao selecionar as plataformas de apoio a mídia central, no caso a TV, deve-se analisar o perfil do público e principalmente o perfil de ação, afinal analisar fotos é mais fácil no Facebook, Assistir livestream é mais fácil no Youtube e comentar o evento é muito mais dinâmico no Twitter.

11/26/2009

A indústria da beleza chega ao Mobile Marketing



TAYLOR Disher, 22 anos, estudante de marketing, em Toronto, recentemente encontrou uma maneira útil para encurtar sua rotina de beleza. Ao invés de provar várias e várias camadas de lip gloss em uma loja de cosméticos, ela testou 20 diferentes tons de brilho labial em seu trajeto pra faculdade de trem usando um aplicativo do iPhone chamado Make Up.

Usando a tecnologia de reconhecimento facial, ela foi capaz de aplicar várias camadas de gloss virtual para seus lábios virtuais (em uma foto dela mesma criada por upload) até que encontrou um tom de rosa perfeito. No dia seguinte foi até a loja e viu que tom ideal combinava com a cor de dois produtos, um da MAC e um da Revlon, e o escolhido foi o primeiro.

Entenda o mundo da beleza virtual: Gloss para os lábios: 9 dólares. Aplicativo Make Up: 99 centavos na Apple Store. Tempo poupado: inestimável.

Esse é o cálculo que a Modiface, fabricantes de maquiagem e beleza e inúmeros outros desenvolvedores de aplicativo relacionado ao iPhone e iTouch estão esperando que seja feito pelas garotas de todo mundo e traduza-se em parcerias lucrativas com a indústria da beleza que gera em torno de US$ 43,2 bilhões somente nos Estados Unidos.

7 a 10 milhões de usuários de iPhone ou iTouch já baixaram um aplicativo relacionado a beleza ou indicaram que estão muito interessados em fazer isso. E, óbvio, o mercado da beleza não deixou essa oportunidade passar despercebida.

Não surpreendentemente, os aplicativos relacionados à aparência funcionam bem com garotas de 14 a 17 anos que ainda estão experimentando maquiagem e passando pela fase de auto-reconhecimento e os primeiros relacionamentos. Mas as pesquisas mostram que houve um crescimento de 19% nos últimos 3 anos desse mercado entre mulheres acima dos 18 anos, principalmente porque maquiagem deixou de ser um acessório para se tornar um estilo de vida.

Embora o foco ainda seja na relação com o próprio rosto, muitos serviços relacionados à utilidade e distribuição estão começando a surgir, como por exemplo:

- localizar serviços de estética, como manicures, salões, centros de estética via GPS;
-oferecer dicas e tutoriais sobre o que comprar quando você está na Sephora diante de vertiginosas opções;
- ou como aplicar um modelo de delineador de uma marca específica. É como ter o Petiscos, o 2Beauty e o TrendtTwins sempre ao alcance do seu celular.

Realidade Aumentada, provavelmente a maior tendência em gadgets, está sendo usada para explorar virtualmente, por exemplo, o recém-inaugurado departamento de cosméticos da Bloomingdale's em Nova York. Como? Para comparar os produtos, obter um make completo com os produtos da loja, aconselhamentos e, claro, fazer uma compra sem sair do sofá.

Cada vez mais, as marcas de beleza estão apostando nesse mercado. Carmindy, uma maquiadora americana estrela do “Esquadrão da Moda América”, lançou seu próprio aplicativo, para coincidir com a publicação do seu guia de beleza, "Crazy Busy Beautiful".

"Eu quero estar na bolsa de alguém, ali mesmo no banheiro, ou quando ela está se preparando para uma reunião ou sair pra uma festa", disse Carmindy, que também é criadora de Sally Hansen Natural Beauty, uma linha de produtos de beleza.

A L'Oréal Paris já tem seu aplicativo e a Avon vai lançar o seu no próximo outono, focando em vídeos, imagens e conteúdo avançado para firmar seus lançamentos da estação.

Mas uma marca de cosméticos já pegou seu posto de “net-friendly” do mercado de beleza à algum tempo e lançou um aplicativo para iPhone dedicado exclusivamente a sua mais recente coleção, a Lancôme hoje é a pioneira e mais bem-sucedida marca de cosméticos na internet com vendas online superando de longe as vendas das loja físicas e possui um blog seguido por milhares de garotas em todo mundo que dividem suas experiências e esperam ansiosas pelo próximo lançamento da marca.

Essa é a maior prova que mesmo a mais perua das mulheres tem uma Nerd dentro de si quando o assunto é gadgets em prol da beleza.

Imagens: NY Times e Apple Store

Rich Geeks


Passei os últimos 15 meses de trabalho me dedicando a provar aos mais céticos que o mercado de luxo é possível na internet, que nem mesmo os mais ricos da classe AAA conseguiriam escapar da avalanche tecnológica que vivenciamos nos últimos 5 anos.

Pois bem, agora pra me ajudar os mais ricos foram além e chegaram ao Mobile Marketing com o iVIP.

Um aplicativo para consumidores de altíssimo poder aquisitivo. Disponível em duas versões, iVip Blue e iVip Black (tipo whisky), o software têm um custo de 500 e 1 mil dólares, respectivamente, enquanto a maioria dos aplicativos para iphone custa em torno de um, dois, três dólares.

Ele oferece acesso a uma espécie de rede social , que inclui uma lista de ‘privilégios e benefícios’ oferecidos por uma rede de parceiros focados no mercado do luxo. Na lista de sugestões estão alta costura, carros de luxo, iates, jatos, ilhas particulares(WTF???) e outras amenidades.

Pra mostrar que até os ricos, finos e poderosos ficam brincando com iPhone nas horas vagas.

Imagem: Apple Store

Silêncio dos Tweets

O que mais ouvi falar na blogosfera tecnológica ontem foi o lançamento do Brizzly, cliente para o Twitter. Antes, o serviço estava fechado somente para convidados.

O Brizzly é chamado de “social media reader” em alusão aos leitores de feeds (Google Reader).
Você pode acessar e gerenciar ao mesmo tempo seus perfis no Twitter e no Facebook.

Duas funções chamam a atenção - botão de mute para silenciar uma pessoa em sua lista de contatos. Seria como se você deixasse de seguir uma pessoa no Twitter temporariamente. E ainda – a tradução automática de mensagens do Twitter. Tradução à la Google Translate.

Brizzly, que não é um serviço oficial do Twitter, é desenvolvido pelo ThingLabs, fundado em junho deste ano por ex-funcionários da Google. (ex-funcionário da google deve valer milhões no mercado corporativo...)

Abaixo, vídeo com detalhes da ferramenta.



Se Unfriendly é a palavra do ano, MUTE vai ser a ação de 2010.

Vídeo: Reprodução

11/25/2009

Diesel para sua casa (pra de alguém pelo menos)


Mais uma grife de moda chega ao mundo do design. Depois de Versace, Armani, Dolce & Gabanna e Missoni, chega no mercado a série de móveis da Diesel desenvolvida pela Moroso, uma das marcas mais respeitadas no universo do design e que chega ao Brasil pelas mãos da Micasa, de Hussein Jarouche.

São sofás, cadeiras, mesas, mesas de centro, bancos, espelhos e armários, a coleção se divide em duas linhas: Camp e Rock, sendo que a primeira foca em conforto, com formas mais suaves, e a segunda inspirada em elementos e atitude do gênero musical.

Para o evento de lançamento amanhã (26/11), o espaço da marca nos jardins recebe os móveis da Moroso e iluminação especial, tudo para que o ambiente remeta a um museu de design, além dos DJs Renato Ratier e Arthur Camargo, a banda Holger, todos escalados por Pedro Igor Alcântara e Beto Amaral para a festa de lançamento por aqui.

Pelo menos essa vamos poder ver de perto no Brasil !

Imagem: Reprodução

O Bom, o Mal e o Novo em Mobile Marketing



De acordo com uma análise simultânea de BIG Research Media e a Usage Survey com mais de 22.000 consumidores divulgada pelo sistema MarketWire, há uma boa notícia e uma má notícia para as empresas que estão investindo no Mobile market. A boa notícia, diz o relatório, é que a audiência para o mobile marketing está crescendo. A má notícia é que o público ainda é relativamente pequeno e confinado a um segmento limitado do mercado.

As empresas que empregam o mobile marketing para o grupo de consumidores errado pode ao invés de provocar curiosidade, aumentar a aversão dos clientes a nova plataforma.

Demograficamente, os consumidores que gostam de mobile marketing tendem a ser homens jovens. Utilizam muito o celular e são mais propensos a utilizar as mídias sociais. Por outro lado, aqueles que não gostam de mobile marketing são mulheres que tendem a ser ligeiramente mais velhas (acima dos 40) que não são tão centradas em torno de seu telefone celular ou a usar mídias sociais (em outras palavras, sua mãe!).

O segmento de usuário móvel no mercado representa um grupo de consumidores desejável para produtos específicos, tais como o setor eletrônico. Eles são muito mais propensos a adquirir eletrônicos ao longo dos próximos seis meses que o grupo de não-usuário:


- 22,4% pretendem comprar um computador (contra 13,1%)
- 20,2% pretendem comprar uma TV (contra 12,6%)
- 11,2% pretendem comprar uma câmera digital (v. 7,1%)

Outros resultados do estudo sobre os usuários de M-market dizem:

Eles são mais propensos do que os não-usuários a regularmente dar conselhos a outras pessoas sobre produtos ou serviços que tenham adquirido;

Eles são mais propensos a consultar regularmente sistemas de busca do que os não-usuários;

Seu foco em buscas on-line é focado em revistas, cupons e TV a cabo;

Depois de realizar pesquisas on-line, eles têm mais probabilidade de se comunicar sobre isto com outras pessoas via face a face, e-mail e telefone celular;

Ambos os usuários de mobile marketing e não-usuários utilizam o iTunes.com, YouTube.com e LimeWire.com - nessa ordem, na maioria das vezes para acesso ou download de vídeo / conteúdo de música; (livetreaming é legal !!)

Eles não são mais propensos a visitar o Facebook, MySpace e Twitter "regularmente", vs não-usuários; (lifesharing já nem tanto !!)

Além disso, o percentual de pessoas que não gostam de mobile marketing tem aumentado em todas as áreas, desde Junho de 2008. ( o que pode preocupar e muito as empresas que estão investindo no setor).

* 66,8% dos entrevistados em geral não gostam de anúncios de texto (vs. 63,5% em 2008)
* 60,2% não gostam de anúncios de voz (vs. 56,8% em 2008)
* 59,6% não gostam de anúncios de vídeo (vs. 56,1% em 2008)
* 58% das pessoas acham que os comerciantes precisam de permissão antes de enviar um anúncio (vs. 55,6% em 2008)
* 52,1% acham que os anúncios para celular são uma invasão de privacidade (vs. 49,5% em 2008).

BIA´s do grupo prevêem que a publicidade local móvel será a próxima tendência grande de mercado tecnológico, nomeadamente em termos de pesquisa móvel local. A Receita publicitária móvel atingirá mais de US $ 3,1 bilhões em 2013, enquanto estamos apenas acima de US $ 160 milhões no ano passado.

As notas de MMA apresentaram um estudo da Universal McCann nos mesmos padrões, mas sobre a utilização do smartphone e descobriu que mais de um terço dos heavy-users do smartphone respondem a anúncios móveis.

O estudo descobriu que usuários de smartphones estão clicando nos anúncios (53%), solicitando mais informações ou um cupom (35%) e fazendo compras através de seus aparelhos (24%). Cerca de 82% dos entrevistados disseram que usam dispositivos móveis no trabalho. 81% usam durante as compras.

Gary Drenik, diretor da pesquisa, concluiu que "... os telefones celulares são considerados pelos consumidores uma forma muito pessoal de meio de comunicação e as mensagens das empresas podem ser consideradas uma forma de invasão de privacidade quando enviadas sem solicitação. Existe um risco de afastar os consumidores até mesmo de marcas que eles gostam e ter um impacto negativo sobre o ROI”.

A ética entre empresa e cliente deve ser respeitada até com as pessoas mais modernas, inovadoras e tecno-entendidas do mundo...Fica a dica.

Galeria Showroom


Mais um evento de moda aterriza em São Paulo na próxima sexta-feira (27/11). Só que dessa vez, as passarelas, modelos, celebridades, fotógrafos e tudo isso que me dá muita preguiça na indústria da moda vai ficar de fora.

Um preview do outono 2010 chamado Galeria Showroom, apenas para compradores e dealers vai movimentar o Terraço Daslu. O evento de negócios idealizado por Adriana Coutinho e Flavia Rotondo pretende movimentar R$ 25 milhões em vendas.

As marcas presentes no evento são aquelas que vendem muito, mas tem pouca mídia espontânea e por isso precisam desse tipo de evento para atrair compradores de todo o país. Dentre elas, Alexandre Birman, Atelier Moretti, Bárbara Bela , Carlos Tufvesson, Cavage, Constança Basto, Elisa Atheniense, Gig, Marcelo Quadros, Patrícia Viera, Paula Ferber, Studio TMLS, Victor Dzenk, Zeferino e claro, não poderia faltar a 284.

Moda vista como negócio!

Zara Goes Online...


Já que a Zara dá um jeitinho de copiar tudo que as marcas de luxo do mundo fazem, ela também está entrando na fase "tecno-entendida" e apostando na internet para aumentar suas vendas e seu contato com clientes.

A loja espanhola, a partir de março de 2010 irá vender toda sua coleção também pela Internet, em sua loja virtual oficial. A loja vai ter logística inicialmente voltada para as regiões próximas a sua fábrica, sendo Espanha, Portugal, França, Itália e Reino Unido os locais de entrega (o que na linguagem brasileira seria entregar na região sul e sudeste do país).

A marca divulgou que também irá investir nas mídias sociais e utilizará as plataformas digitais para lançamento de coleções, promoções exclusivas e maior interação com seus clientes em todo mundo.

O plano de expansão do e-business é desafiante, ela pretende atender as 20 principais capitais do mundo até o final de 2011 (Nem a e-Bay faz isso...), por isso é esperar para termos São Paulo, Rio e afins na lista de frete da Zara Virtual.

Agora me pergunto, será que a operação virtual transatlântica barateia ou torna as peças mais caras para o comprador final?

11/23/2009

Marketing Trends to Watch


Aconteceu semana passada o San Francisco SEMPO, uma reunião mensal que um de nossos connectors nos EUA teve o privilégio de acompanhar. A reunião foi pautada por um painel sobre estratégias para sair da recessão. Apesar desse tema ainda estar em voga no hemisfério norte e quase esquecido no Brasil, vale lembrar que no mundo globalizado que vivemos, o erro de uns pode ser o aprendizado de outros e um desafio para os americanos pode servir de oportunidade para nós.

Os palestrantes, representando a Webtrends, o Napa Valley Wine Train e o Single Grain Consultancy falaram sobre as estratégias que eles usaram para alavancar seus negócios durante um momento econômico difícil, além de uma incrível análise ambiental econômica e mercadológica e citaram os planos que têm em mente para 2010, pautados principalmente pela trendhunter americana Webtrends.

Embora a principal conseqüência da última crise tenha sido as altas taxas de desemprego, os sinais de revitalização estão em toda parte - mesmo tendo um público de compra que agora está castigado, mais cauteloso e comprometido principalmente com a frugalidade.

Indicadores macroeconômicos estão tendendo de forma positiva, as empresas declaram os seus lucros de novo, e bens e serviços estão sendo entregues de forma mais eficiente do que nunca.

O negócio das vendas, no entanto, continua a ter um verdadeiro desafio para o futuro de curto prazo. Mas as novas maneiras que as pessoas compram e criam o seu próprio processo de compra é digna de análise Kotleriana.

Mudança de comportamento hoje significa ver os compradores de todos os tipos confiando mais em recomendações de redes sociais, fazendo compra comparada, análises de produtos e serviços pré-compra e estudos mais detalhados antes de fechar um compromisso de compra. Uma vez que um compromisso é travado, os compradores buscam as promoções, preços mais baixos ou de valor acrescentado, em seguida, promoções disponíveis no momento. A busca está no centro de todo o processo de compra, quando antes estava apenas no início e em seguida se observava apenas uma seqüência de intuições e deduções.

Considerando essas mudanças, as empresas devem presenciar em breve algumas novas tendências de gestão que servirão como resposta a essa mudança de comportamento do consumidor. A seguir, alguns Trend Watch analisados por Richard Pearsons, nosso connector de assuntos corporativos na Califórnia.

As empresas estão muito mais curto prazo do que nunca. Considerando que, no passado, uma empresa estaria disposta a focar seu marketing a longo prazo para construção e refinamento de uma estratégia, hoje elas querem saber o que o marketing pode fazer por elas nos próximos 30 dias.Os varejistas estão aprovando orçamentos, mas eles estão dispostos a retirá-los, se os resultados imediatos não são o que você está procurando. Eles estão muito menos dispostos a investir em experiências - eles querem o que está provado, experimentado e verdadeiro.

As empresas estão lutando com a atribuição. Já que os orçamentos estão tão apertados, o foco é primordial e isso exige atenção e análise dobrada para acertar o alvo na hora de atribuir valor para uma ferramenta, um canal um produto, um colaborador. Ainda não foram apresentadas resoluções para esse problema, mas como já dito acima, aquele que chegar com o resultado primeiro fica com a maior parte do bolo.

Os varejistas também estão tentando ser mais oportunistas. Para pesquisadores de marketing, isso significa muitas vezes olhar para foro do seu escopo, buscar parceiros em trademarketing, relações públicas e eventos. Estratégias integradas diminuem os riscos!

A maior discussão que toda conversa gerou é que a “Busca” está por trás dos indivíduos, e falar com eles, entender os motivos das mudanças de comportamento e interesse, seja por imersão em dados ou se juntando a linha de frente nas lojas e serviços de atendimento, é fundamental para compreender o Zeitgeist que estamos entrando.

Nunca se estudou tanto o toyotismo na administração e o termo “Just-in-Time” nunca serviu tão perfeitamente. Todos acreditam que 2010 será um ano muito mais claro e iluminado do que o obscuro 2009 e com eleições, Copa e tudo mais que temos pela frente, é melhor que seja mesmo.

Logística para a vida

Mais necessário do que a nossa própria locomoção é a urgência em enviar e receber um documento ou material de trabalho com urgência.

Foto: Reprodução

Resultados do crescimento:

Quem mora em São Paulo está sentindo na pele o que é passar por um período de grandes obras do governo, como o rodoanel, marginal, metro, linhas de trens metropolitanos e corredores de ônibus. Um alto investimento do governo, de empresas privadas e da população, que sofre com o caos na cidade em grandes congestionamentos, fruto do alto crescimento do numero de carros nas ruas.

Durante a semana, quem anda pelas ruas mais movimentadas das metrópoles brasileiras, entre carros, pedestres, ônibus e bicicletas, enxergam os motoboys como condutores exagerados e com falta de educação. Mas esquecem que eles estão com pressa para atender ao tempo determinado de uma entrega e garantir a qualidade no serviço. Sendo que muitas vezes, uma dessas entregas pode ser a sua!

Há quem ainda não respeite e tenha uma visão diferente dos motoboys. Mesmo assim muitos sabem que eles sãos os responsáveis por fazer o Brasil andar, sobre duas rodas. Seja a necessidade da entrega de um documento importante, de um material gráfico finalizado de ultima hora, de uma pizza, uma comida japonesa ou até mesmo um coração que vai salvar uma vida, são eles que nos salvam de vários congestionamentos gigantescos e estão todos os dias na luta contra o tempo, o transito, o stress e ainda correndo riscos.

Entre as estatísticas de mortes no trânsito em São Paulo, 46% são pedestres, 32% motociclistas, 17% motoristas e 5% ciclistas. (fonte: CET SP)

Educação e responsabilidade com a vida:

Estive semana passada na CET (Companhia de Engenharia de Trafego) em São Paulo para conhecer mais de perto os programas educacionais no transito para condutores. Fiquei impressionado com a organização do DET (departamento educacional do transito), que faz um trabalho incrível e que muita gente não conhece.

O DET promove cursos e atividades educativas, dirigidas a escolas, empresas, entidades e profissionais que atuam direta ou indiretamente nas áreas de educação, transporte e trânsito, atendendo desde o público da educação infantil até a terceira idade.

Entre a maioria que procura os cursos do DET, estão as empresas que buscam a segurança dos seus profissionais que trabalham na rua. Com foco em reduzir gastos com acidentes relacionados ao trabalho.

Para uma empresa que precisa de seus profissionais constantemente presentes e não podem enviá-los para os cursos, por questão do custo de tempo, o DET envia professores para dar palestras gratuitas nas empresas, sejam elas de 15 minutos ou 1 hora.

Mesmo com muitos problemas, O DET da CET de São Paulo é referência mundial em educação no trânsito. No salão duas rodas, o stand chamou a atenção de profissionais e dirigentes do governo de Buenos Aires, cidade que não possui projetos de iniciativa à segurança dos condutores.

Investimentos do governo.

Para quem já viu a campanha, que foi lançada pelo Ministério das Cidades no dia 30 outubro “Sou legal no trânsito”, com a veiculação das propagandas de televisão, jornal, rádio, mídia externa e revista em todo o Brasil. Com investimento de R$120 milhões do governo federal em campanhas de educação no transito. Graças aos recursos arrecadados com infrações de trânsito e com o pagamento do seguro obrigatório.

A responsabilidade no transito de cada município, é da prefeitura. Seja uma cidade de 20 mil habitantes que possua um profissional que cuide disso, ou a maior cidade do país que tem o um esquema especial em prol da vida de todos.

Entre as cidades brasileiras que possuem uma boa estrutura de educação no trânsito estão: São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, Curitiba, Campinas e Santos.

Oportunidade de negócio:

Frente a um tema tão importante que aborda a vida de muitos brasileiros envolvidos direta ou indiretamente com os profissionais de logística, empresas privadas estão investindo em responsabilidade social, desenvolvendo projetos e ações que causam um impacto significativo na vida de muitas pessoas.

São ações de rua, cursos (com certificação), capacitação, palestras, eventos, atendimento em rodovias (que estão péssimas) pelo Brasil, tudo voltado à segurança dos condutores.

Qual é o panorama desse cenário de crescimento: as empresas estão fazendo um papel em setores que o governo deveria fazer. Mas além de ganhar nota 10 pela qualidade nos projetos em prol da vida dos condutores, elas constroem a credibilidade e visibilidade de marca em um mercado tão competitivo quanto o de hoje.

Quer saber quais são essas empresas? Continue a ler o MKTfocus.

11/19/2009

Internet do Futuro

Abranet e ICANN promovem evento para discutir o futuro da Internet

Seminário contará com a presença de representantes dos setores público e privado para falar da evolução da rede

A Abranet (Associação Brasileira de Internet) e o ICANN (Internet Corporation Assigned Names and Numbers) promovem o evento "O Futuro da Internet" no dia 24 de novembro, no Hotel Transamérica, em São Paulo. O encontro propõe a discussão das constantes inovações da Internet, novas ferramentas, os desafios gerados pela popularização da rede mundial de computadores e como as pessoas podem se preparar para essas inovações.

Para Eduardo Parajo, presidente da Abranet, a evolução dessa poderosa e abrangente ferramenta precisa de constante vigília. "É necessário que sejam feitos maiores investimentos em capacitação humana para a utilização das novas tecnologias e ações educativas para a boa utilização da Internet", afirma.

As palestras destacarão os planos do governo, a evolução do IP, a expansão da rede, as fraudes ecybercrimes, além das principais alternativas para solucionar esses problemas.

O evento também contará com as participações de Augusto Cesar Gadelha Vieira, secretário de Política de Informática do Ministério da Ciência e Tecnologia, Julio Semeghini, deputado Federal (PSDB-SP), Paulo Teixeira, deputado Federal (PT-SP), Vanda Scartezini, diretora do ICANN, entre outros representantes de empresas, entidades e universidades.

Para mais informações sobre o evento e programação completa, acesse: internet do futuro

Anote na agenda
Data: 24 de novembro de 2009 - terça-feira
Horário: das 8h às 18h30
Local: Hotel Transamerica - Av. das Nações Unidas, 18.591 - São Paulo – SP

As inscrições são gratuitas, mas é necessário inscrever-se antecipadamente.

11/16/2009

QUAL O LIMITE DE TUDO ISSO?!


A maior agitação durante a última semana de desfiles de moda não era sobre as tendências para o próximo verão, os cenários incríveis, ou mesmo as celebridades. Foi sobre as maneiras que a mídia sociais - blogs, YouTube, Facebook, Twitter e outros – da noite para o dia se tornaram parte integrante de como as marcas de moda levam sua mensagem ao público.

Os desfiles durante o mês de Setembro e Outubro foram um primeiro vislumbre do que o mundo da moda elitista poderá se tornar em breve: um negócio onde os designers levam suas coleções diretamente aos clientes, já não mais filtradas através de editores de moda de poderosas revistas femininas e compradores de lojas que parecem templos do luxo.
Os clientes poderão ver uma coleção ao vivo na internet e decidir o que querem comprar e dar um feedback instantâneo em blogs, no Facebook e Twitter.

Uma empresa que aproveitou o poder das mídias sociais durante as coleções recentes foi a marca italiana Dolce & Gabbana. Os estilistas Domenico Dolce e Stefano Gabbana até remanejaram alguns compradores para fora de seus lugares habituais na primeira fila para dar espaço para quatro grandes blogs do setor – (MKTFocus, um dia quem sabe...) Tommy Ton, Garance Doré, Scott Schuman e Bryan Yambao, além de instalar laptops para os blogueiros poderem escrever e tweetar em tempo real.

"Blogs são muito importantes para nós", disse Gabbana.

"Nós sempre mantemos eles informados com as nossas novidades e sempre os procuramos já que eles representam uma forma rápida e espontânea para obter novas informações e feedback do que fazemos”, completa.

Os designers também postaram diários em vídeo no YouTube durante a semana antes do grande desfile, em parte para informar os fãs sobre a coleção e em parte para obter feedback pré-desfile.

O show em si foi mostrado ao vivo no site Dolce & Gabbana e no Fashion TV, com câmeras na passarela, nos bastidores e a chegada do público. Quando foi publicado, mais tarde, no canal da Dolce & Gabbana no YouTube ajudou a classificar como o canal mais visto do YouTube em todo o mundo pelas 24 horas seguintes.

"A Web, para as marcas de luxo, não é o futuro, mas sim o presente", disse o Sr. Dolce.

Outras marcas de moda também escolheram maneiras diferentes de usar as mídias sociais em prol de suas marcas: Yves Saint Laurent e Stella McCartney usaram seus Twitter feeds. Louis Vuitton teve o seu desfile transmitido ao vivo. E o estilista britânico Roland Mouret utilizou 28 câmeras para filmar o desfile e os bastidores para a própria audiência escolher sua própria maneira de ver o desfile.

E, em um exemplo enorme do poder das mídiais sociais, um tweet da Lady Gaga fez tantas pessoas clicarem no livestreaming do desfile de Alexander McQueen que os servidores do site caíram em menos de 5 minutos.

No saldo final das coleções, marcas como Gucci e Burberry tiveram novas idéias:

A Gucci apresentou sua mais recente linha de óculos, Gucci Eyeweb, com uma campanha viral na internet. Seu site, guccieyeweb.com, permite que os visitantes carreguem suas próprias fotos e depois as imagens eram apresentadas como se fossem o reflexo no óculos de vários estilos.

"Vemos isso como uma promoção de Web tática", disse Patrizio di Marco, presidente da Gucci.”

É um componente muito bom, se considerarmos que o público-alvo dessa linha é o público jovem que movimenta as redes sociais. Além de ter um custo-benefício incrível, já que a construção e a manutenção do site equivalem a um punhado de páginas durante o ano em mídias tradicionais.

A Burberry na semana passada lançou o "Art of the Trench", como o MKTfocus já citou aqui. Além de convidar os usuários a carregar suas próprias imagens e de postar comentários, o site também convidou o Sr. Schuman, do blog Sartorialist, para fotografar pessoas em todo mundo em seus trench coats Burberry. Aumentando ainda mais a visibilidade da ação, já que hoje, o Sartorialist é o maior fenômeno na moda dentro das mídias sociais.

A variedade de plataformas mostra o quão grande essa fronteira nova na Web é - e nem todo mundo está tomando conta de que isso está acontecendo muito rápido. Uche Okonkwo, fundadora do Luxe Corp., consultoria de luxo de Paris disse algo que todos nós devemos prestar atenção:

"As pessoas estão ficando realmente animadas sobre as mídias sociais, sem realmente se perguntar se há realmente algum motivo para ficar animado."

A ascensão das redes sociais e a introdução do e-commerce a mais de uma década atrás cresceu na velocidade da luz - e muitas marcas se sentem pressionadas a saltar dentro delas sem sequer pensar numa estratégia para isso.

Algumas marcas de luxo evitam o aspecto social da Web, porque elas gostam de controlar as suas marcas e as mídias nesse caso, funcionam exatamente como o oposto, passando o controle da marca para os usuários.

Ainda se questiona muito o fato da Louis Vuitton ter se tornado uma marca tecno-entendida nos últimos anos e o quanto isso realmente combina com o posicionamento secular da marca.

Mas a aposta dos especialistas dentre todas as ferramentas de mídias sociais são os blogs (God Bless...), que se tornaram referência nos últimos 10 anos e hoje alguns são tão qualificados que chegaram ao nível jornalístico e isso só ajuda a melhorar a posição da internet em relação aos meios mais tradicionais como as revistas especializadas e os jornais diários.

Mas até mesmo os blogs estão sendo afetados por novas aplicações como Twitterfox, que utiliza os Twitter feeds e páginas do Facebook em simultâneo para produzir conteúdo em blogs. Algo que na minha opinião, diminui a capacidade de síntese e escrita dos blogueiros, tornando a coisa menos interessante.

“O Twitter pode ser a morte do meu blog" disse Mr. Yambao para o Suzy Menkes do Herald Tribune, referindo-se à sua página bryanboy.com, popular blog de moda na web.

Eu concordo com ele em número, gênero e grau. Tudo é tão instantâneo, nesses tempos de Twitter, que as pessoas estão entediadas com as coleções de moda, capas de revistas e artigos de jornais antes mesmo de serem publicados e chegarem às bancas.

Se alguém se lembra quando disse que a moda estava cansando de moda, volto a usar o bordão, mas com outro enfoque:

AS MÍDIAS SOCIAIS ESTÃO CANSANDO AS MÍDIAS SOCIAIS...

Fonte: Herald Tribune, NY Times, Bryan Boy e Luxe Corp.

Canon promove evento para o setor gráfico


Imagem: Reprodução

Durante o encontro, participantes terão a oportunidade conhecer soluções de impressão desenvolvidas para empresas de todos os portes

A Canon, empresa japonesa especializada no desenvolvimento de tecnologias de gerenciamento de documentos e de imagem, promove no dia 18 de novembro, em São Paulo, café da manhã para profissionais do segmento gráfico. O objetivo é apresentar as soluções de impressão desenvolvidas pela fabricante para atender às demandas específicas do setor e o caso de sucesso em impressão digital da Gráfica Bandeirantes.

"O setor gráfico é um dos mercados-chave para a Canon no país, responsável por parcela significativa do faturamento da companhia na área de soluções de impressão. Nosso portfólio é bastante amplo e capaz de atender necessidades de gráficas e agências em diferentes frentes, desde a impressão de peças até a produção de livros sob demanda", afirma Edmilson Freitas, gerente Comercial da Canon do Brasil.

O encontro contará com apresentações dos executivos da Canon, que abordarão tendências em impressão para o setor gráfico. Cliente da empresa, a Gráfica Bandeirantes também dará seu depoimento sobre o segmento de impressão digital, os desafios e formas de se trabalhar essa tecnologia, gerando mais oportunidades de negócios na área.

As vagas para participar do evento são limitadas. A confirmação de presença é obrigatória e pode ser feita pelos telefones (11) 5070--7226 e (11) 5070-7232 ou pelo e-mail:acarvalho@cusa.canon.com.

Anote na agenda
Café da manhã Canon do Brasil
Setor Gráfico
Data: 18 de novembro de 2009 - Quarta-feira
Local: Hotel Renaissance - Alameda Santos, 2233 - São Paulo - SP
Horário: das 08h30 às 11h00
Estacionamento gratuito no local

10 anos em 7 minutos

O melhor, o pior e o inesquecível dos últimos 10 anos no mundo !

Um vídeo incrível produzido pela Newsweek americana.

11/15/2009

A sinergia brasileira no TEDxSP


Neste sábado, um evento de proporções mundiais aterrisou em São Paulo e atraiu mais de 800 pessoas que ouviram a opinião de diferentes especialistas por mais de 12 horas sobre apenas um assunto: O que o Brasil tem a oferecer ao mundo agora?! - Essa foi a missão do TED versão São Paulo ontem.

A repercurssão foi maravilhosa e a divulgação em tempo real das coisas mais legais pelo Twitter e outras mídias na web foi incrível. Procurando #TEDxSP no Twitter você vai encontrar 99% de elogios e pessoas realmente impressionadas com o evento. Não é para menos, Helder Araujo, Raphael Vasconcellos, Dudu entre outros voluntários fizeram um trabalho impressionante em todos os sentidos.

Assisti 34 apresentações com duração entre 5 e 15 minutos sobre os temas mais variados, de psicologia a química e de publicidade a engenharia médica. Devido ao meu trabalho focado na pesquisa de inovação, principalmente nas áreas de alimentos e cosméticos, os eventos já vêm se tornando repetitivos e com as mesmas caras sempre, o problema disso é que se entra num funil que afunila cada vez mais, chegando no que os pesquisadores chamam de Miopia de Pesquisa, quando se perde a visão panorâmica e não consegue-se ver outros pontos de vista de um mesmo assunto - perdendo então coisas que podem ser realmente relevantes.

Por isso o TEDxSP foi inovador no Brasil ao trazer palestrantes de áreas que não consideramos pertinentes ao nosso dia-a-dia e só quando estão juntas é que se dá o real valor no conhecimento adquirido. Novas idéias, novas visões, um mesmo objetivo...esse é o aprendizado que tiro depois de quase 12 horas de um bombardeio de informações.

Parabéns aos produtores e voluntários que trouxeram essa idéia maravilhosa para nós e parabéns aos ouvintes que saíram do TEDxSP com uma nova visão sobre o mundo e cientes de que sinergia entre as áreas é exatamente o que o Brasil tem a oferecer agora para o mundo !

Marcela Barahona - Enviada especial do MKTFocus para o TEDxSP.

11/14/2009

O último apaga a Luz !

Seria até maldade chamar esse post de Trend Alert Confirmado, mas o que muitas pessoas achavam muito 2030, já está chegando mais próximo da gente.

A priori, o mercado editorial de estilo de vida não pode ser chamado de volátil, já que a maioria das publicações dura eternidades. Mas alguns fatores externos, que gosto de chamar de Novos Entrantes, podem mudar completamente essa história.

Essa é a situação que está ocorrendo com diversas revistas pelo mundo, que ao se deparar com a invasão online, começam a sofrer várias perdas. A publicação de gastronomia Gourmet chegou ao fim alegando queda na receita com publicidade.

Kevin Demaria, o editor de arte da revista, registrou em fotos os últimos dias da publicação, que existia desde 1941 no blog Last days of Gourmet.




Por que ao invés da Gourmet, não acabou a Contigo?!

O futuro nos olhos da Nokia

O uso da realidade aumentada para encontrar amigos na balada, gadgets sem teclados, projeção de filmes via celular, reconhecimento de faces e digitais e sincronia de plataformas. Esse é futuro dos celulares idealizado pela Nokia para 2015.

Para expor isso, a empresa criou um vídeo bem conceitual no estilo dos produzidos pelos institutos de pesquisa que de tempos em tempos mostram o que o futuro nos reserva nas áreas tecnológicas, artísticas e comportamentais.

Em maio desse ano, a Microsoft também fez as apostas delas num vídeo bem parecido com foco principalmente nas interações e sincronias que a Web 3.0 vai permitir, e agora a Nokia dedica grande parte do seu tempo para explicar como seria um suposto futuro para a chamada realidade aumentada.

E aí, acham que isso tem cara de 2015 ou de 2055??

11/13/2009

Nada se cria. Tudo se copia.

A frase é clara. Muitas idéias não surgem do nada, simplesmente em um papel em branco. No mínimo, no momento do brainstorm, devemos ter um desenho, uma música, um livro, um objeto ou uma palavra para evoluirmos em uma criação, em uma história, que envolva o consumidor e crie algum conceito de branding para uma marca.

Coloquei aqui no MKTfocus a campanha Desobvialize da Brastemp. Ela leva um conceito muito parecido com a animação genial do John Kelly, que explica de uma forma bastante criativa e diferente o que é procrastinação. A definição da parte final diz tudo: no final das contas, procrastinar é apenas tentar evitar o inevitável.

Social Shopping para o Natal


A Internet já mudou radicalmente a nossa forma de fazer compras e interagir com as lojas. Otimização de buscas, códigos de promoção, frete grátis pelo e-Sedex, modelos virtuais para expor os produtos, chats ao vivo com os vendedores, tudo isso já se tornou commoddity no mercado virtual e agora as empresas mais inovadoras saem na frente e inovam ao utilizar as novas ferramentas da internet para aumentar suas vendas e a relação com os clientes.

De fato, no recente estudo “Normal” do portal LC:N descobriu-se que 85% dos consumidores alphas e betas pesquisados vão comprar on-line nesse Natal, e a maioria deles continuará a fazer isso durante todo o ano de 2010. Considerando o nível de influência desses grupos, é esperado que o grande grupo de consumidores médios aumente em 32% suas compras pela internet.

Agora que o E-shopping deixou de ser uma nova ferramenta para vários setores, as empresas estão entrando em uma nova dimensão que promete aquecer ainda mais a economia virtual: o SOCIAL SHOPPING.

O que é Social Shopping???

Muitos consumidores estão se voltando para as redes sociais como o Facebook e Twitter ou agregadores como a rede de cupons RetailMeNot e CouponCabin e até blogs, como o FatWallet ou Dealfinder para encontrar os melhores descontos e ofertas - e eles estão compartilhando estas promoções com amigos, família, e de forma geral, toda a web. Esse comportamento de compras social teve sua fase inicial no ano passado e está a pleno vigor nos feriados desse final de ano - motivo pelo qual cerca de 47% dos varejistas on-line do mundo planejam aumentar o uso das mídias sociais nesta temporada de férias, segundo a National Retail Foundation.

Se você possui uma loja virtual saiba quais são as principais tendências de compras sociais que estão tomando conta da Web e veja como incorporá-las na sua estratégia de varejo nesse Natal. Agora, se você for um consumidor que, como eu, procura novidades e bons preços nessa época do ano, leia as apostas do Mktfocus para o Social Shopping no Brasil e os pioneiros nesse assunto.

1. Avaliações instantâneas sobre os produtos

Hoje em dia, se você quiser saber o que as pessoas pensam sobre qualquer produto, serviço ou empresa, tudo que você tem a fazer é colocar o nome no Google, no Twitter Search, no Twendz, ou qualquer outro sistema busca em "tempo real" pra obter um up-to-the-minute streaming instantâneo das opiniões e sensações dos clientes. Houve tempos em que as empresas precisavam pesquisar e clippar inúmeros sites de avaliação pra descobrir qual a imagem do seu produto; hoje o Google e os assíduos micro-blogueiros do Twitter fazem isso e ainda em tempo real.

Além disso, quando você possui uma opinião particularmente forte sobre determinados produtos, seja positiva ou negativa, você pode por meio das redes sociais discutir, divulgar, reclamar e elogiar qualquer marca a qualquer momento, e isso se torna extremamente poderoso quando milhares de pessoas possuem a mesma opinião e conseguem se juntar via Twitter, Orkut ou Facebook para fazer isso. É como se ocorresse uma passeata na Avenida Paulista, mas de forma on-line.

2. Negociações em tempo real

Os mais céticos em relação as mídias sociais (vulgo Arnaldo Jabor) são sempre rápidos a perguntar "qual é a função do Twitter mesmo?" Bem, os acordos de exclusividade e as promoções operadas somente pelo aplicativo são umas das centenas de razões para as empresas arriscarem seus tweets hoje em dia. Contas como @submarino, @americanas, @warner e @promocoes oferecem ofertas em tempo real sobre os produtos que realmente estão nas wish-lists das pessoas, ou seja, os produtos mais comentados no Twitter. Um dos maiores exemplos são os produtos relacionados a franquia Crepúsculo, que estão movimentos milhões pelo mundo devido ao lançamento do segundo filme da série.

Cada um desses serviços tem milhares de seguidores, que recebem promoções instantâneas, cupons e descontos sobre uma ampla gama de produtos. Algumas das promoções são apenas para os seguidores do Twitter, assim você não pode levá-las para outros lugares e a maioria é de curta duração. No mundo off-line, uma promoção para atingir um público interessante em quantidade é necessário mantê-la por dias, semanas, já no mundo on-line das mídias sociais, com apenas horas se consegue um retorno excelente de pageviews, clicks e compras advindas de uma promoção.

3. Presente em grupo

Essa é uma prática das antigas – agora ela se tornou moderna e muito mais fácil graças as mídias sociais. Você quer dar um presente de qualidade para alguém, mas o seu orçamento está apertado e você sem tempo, ou seja, a coisa parece impossível. Mas não é, graças a alguns dos novos serviços do Social Shopping, você pode juntar forças monetárias com seus amigos e transformar a sua escassez individual em um belo presente coletivo. Quem nunca fez isso, que atire a primeira “vaquinha”?

Sites menores, como Lolligift, transformaram esse conceito na sua rotina de trabalho e grandes empresas estão começando a tomar conhecimento disso. O Mercado Livre Brasil, se voltando para a Web 2.0, criou o aplicativo para Orkut onde os usuários poderão criar grupos de AMIGO SECRETO distintos definindo local, data de entrega, faixa de preços dos presentes, etc. Definidas as opções, os participantes nem precisam sair de casa, a seleção de amigos que irão participar e o sorteio são feitos pelo próprio aplicativo dentro da rede de relacionamento.

A Best Buy instituiu um programa chamado “Pitch In”, onde os clientes podem registrar online os presentes que querem e enviar um aviso aos amigos e familiares via e-mail ou sites de redes sociais como o Facebook. Então, os “doadores de presentes” podem então se inscrever para o programa on-line e pagar uma parte dos itens listados, quando a quantia total do produto for atingida, ele é enviado ao presenteado com o nome dos caríssimos amigos que fizeram a boa ação.

Se essas não forem as coisas mais legais para esse Natal, nada mais é!

4. Entrar na moda agora é muito mais fácil

As mídias sociais também podem ajudar a nos guiar nas escolhas dos presentes que não são necessariamente baseadas em dinheiro ou conveniência, mas sim, sobre aspectos de expertise e estilo. Em vez de esperar todo mês, para uma nova emissão da W, Vogue ou GQ chegar pelos correios, você pode consultar rapidamente um consultor de moda diariamente no Twitter do @petiscos ou @nylonmag, ou através de uma série de outros feeds no twitter dedicada exclusivamente às tendências de estilo e dicas de moda. É possível aprender o básico pra comprar roupas nesse Natal com os conselhos via Facebook da Rachel Zoe's, a maior stylist de Hollywood. Basta se cadastrar e seguir algumas destas fashionistas, que às vezes também oferecem promoções especiais através de seus feeds, principalmente no setor cosmético, como fazem as meninas do @trendytwins.

Agora, para os realmente viciados em moda, as mídias sociais Fashion Bubbles, Shopflick e Us Trendy, são verdadeiramente a nata da moda na internet. Estes canais estão interligados com comunidades de compras on-line, onde opiniões, compras, lookbooks, fotos e vídeos sobre as últimas tendências e novos designers são disseminados na velocidade da luz e especialistas em moda conectam-se para ajudar os mais vorazes consumidores na hora de compras as peças certas nesse Natal e Ano Novo.

No lado mais exclusivo da moda, existem grupos como o Superexclusivo e Coquelux. Esses sites de venda são somente para convidados e para entrar você precisa de um convite especial de um dos membros. Uma vez fazendo parte da nata, você tem acesso às últimas novidades e ofertas para algumas das marcas mais famosas na indústria, com preços tão baixos que se tornar membro chega ser quase mandatório para os viciados em etiquetas.

5. Mídia Social x Causa Social

Muitos consumidores compram coisas para os outros, especialmente em torno dos feriados de final de ano. Ainda não existe uma mídia social ou aplicativo para Iphone que ensine a ser solidário, isso fica por sua conta, mas já existem mídias sociais que ajudam as ONGs e Casas de Caridade a aumentar o número de doações, permitindo que doadores e receptores compartilhem seus pensamentos da forma mais genuína em variados canais.

Organizações que atuam na Web 2.0, como o popular grupo de voluntários Novilha Portland (que já foi citado até no seriado My wife and kids) usam o espaço para promover sua causa através de canais como o Facebook, Twitter, e Posterous. As pessoas são notificadas que uma vaca, lhama, ovelha, ou outro presente foi doado em sua honra e podem compartilhar sua valorização através do Facebook ou Twitter.

Dessa maneira, consegue-se não só maior atenção as causas sociais, como também o orgulho próprio de ter algo feito no seu nome. Outras ações que também têm dado muito certo no twitter, são as ações da @graac, com mais de 3.500 usuários ativos se engajando e divulgando as campanhas de doações para o Natal.

Essas são as 5 apostas do MKTfocus para o Social Shopping nesse Natal. São muitas as empresas que estão investindo nessa área e no Brasil muita coisa ainda estar por vir.

Use as mídias sociais a seu favor e tire o maior proveito possível delas em suas compras nesse final de ano.