9/30/2009

Mídias Sociais no Brasil


Desde segunda-feira à noite, os leitores desse blog participaram de uma pequena pesquisa sobre mídias sociais em paralelo a um projeto que estou liderando no Portal Internacional LC:N.

Esse portal está disponível no mundo todo e conta no seu cadastro connectors alpha e beta no que diz respeito a comportamento social e cenários de consumo. Altamente utilizado pelas agências de pesquisa de tendências no mundo todo para obter sinais de tendências para design, tecnologia, comportamentos sociais e antropológicos.

Para essa pesquisa que faz parte do meu projeto de Web 3.0 já citado aqui no blog, busquei os chamados GeekFreaks. Esse segmento do portal separa os innovators(alpha) e trendysetters(betas) em apenas um tema: TECNOLOGIA.

Para conhecimento de vocês, o perfil solicitado foi: heavy users de ferramentas de internet, consumidores de gadbgets tecnológicas, com idade entre 18 e 24 anos, residentes na cidade de São Paulo, com ensino superior incompleto e que tenham utilizado mídias sociais de qualquer tipo nos últimos 3 meses. Para minha surpresa, consegui 78 connectors, ou seja, São Paulo é sim um pólo de usuários de tecnologia e difusor de tendências, já que todos os usuários passam por um "militar" processo seletivo para serem cadastrados.

Já aqui no blog, o único quesito utilizado foi, a leitura do post feito abaixo da pesquisa sobre o aplicativo Tumbrl. e foram captados 52 leitores para processar os dados.

Agora segue de forma bem resumido (devido as possibilidades do blog) os resultados sintetizados:

Na pesquisa realizada com os GeekFreaks:

96% utiliza o Twitter
92% utiliza o MSN Messanger
91% utiliza o Facebook
89% utiliza o VIMEO
72% utiliza o Orkut

Na pesquisa realizada no Mkt Focus:

96% utiliza o Orkut
94% utiliza o MSN Messanger
94% utiliza o Blogger (um pouco de viés, já que a maioria dos nossos leitores também são blogueiros)
91% utiliza o Youtube
78% utiliza o Twitter


E uma primeira análise, já se percebe sinais claros de que o MSN Messanger é a maior ação dentro do landscape de mídias e que o Facebook é o que possui maior potencial de ação nos próximos meses.

Outro fato interessante é que o Twitter está em uma fase de dissiminação assustadora e que eu acredito que em menos de três meses, ele será a segunda mídia social mais utilizada no Brasil.

A relação negativa entre as mídias de sharing é clara. O Vimeo é um aplicativo recente e ainda muito utilizada pra disseminação de novidades, achados e informações profissionais, já o Youtube é muito mais doméstico e seu uso é quase que todo para reprodução de conteúdo de outras mídias, como canais de tv e gravações próprias, além de ter uso extremamente massificado sem nenhuma segmentação mensurável.

Os aplicativos menos citados foram os de MMO, Livescast e Virtual Worlds. Acredita-se que o motivo da pouca audiência dessas mídias seja a dificuldade de utilização e a necessidade de 100% de imersão no aplicativo, ou seja, não dá pra utilizá-los junto com outras mídias ao mesmo tempo.

Se serve de dica: a possibilidade de livesharing de conteúdo desses aplicativos com outros como Twitter, Facebook e Orkut, talvez possibilitaria uma maior audiência. Pra dizer que ainda não foi tentado, BuddyPoke no Orkut e Twinpic no Twitter.

O post já tá gigante e as outras infos vão ficar só pra agência, porque são confidenciais.

Quem se habilita a fazer a conexão entre essas mídias? Tumbrl é o primeiro a mostrar interesse...

agradecimento:
Portal Lc:n e os connectors GeekFreaks e os leitores incríveis do MktFocus.
Pra quem quiser conhecer alguns dos connectors utilizados, acesse (adivinhem?) a mídia social GeekMattr.

Análises


OBRIGADO A TODOS QUE RESPONDERAM A PESQUISA ABAIXO !!!

Acredito que não tenha sido útil somente para mim, mas também para todos os leitores que puderam ver o tamanho do landscape de mídias sociais que temos na atualidade e principalmente o quanto estamos envolvidos com elas todos os dias.

Hoje vou sintetizar os dados daqui e de um portal internacional de lifestyle chamado Geekfreaks que também realizou a minha pesquisa e mostrar os resultados para vocês.

Até mais tarde.

9/28/2009

Pesquisa Rápida e Indolor, igual ao Twitter !

Você já leu o post que está embaixo desse? Não? Então leia primeiro(eu espero...)

Agora que já leu, viu que as mídias sociais roubaram o fenômeno de ciclos do mundo da moda e a cada estação surge uma nova, uma desaparece, uma fica super trendy (Twitter) e outra fica super cafona (ICQ).

Por isso, gostaria de saber de vocês, quantos e quais mídias sociais vocês já são adeptos. Coisa simples, é só citar eles nos comentários e pronto !

Pra ajudar, segue o landscape de mídias sociais atuais, quer dizer, quase atuais, pra ajudar vocês a verem como quase tudo hoje na net É MÍDIA SOCIAL DA WEB 2.0 !

Eu dou o start dessa pesquisa. Dentre uso pessoal, profissional e por intermédio da empresa, eu uso:

- Blogger
- Last.FM
- Vimeo
- MSN Messenger
- Skype
- Orkut
- Hi5
- Twitter
- Jaikü
- Justin.tv

Ficou assustado? Eu ainda leio emails de vez em quando...

Nem só a NET vive de Combos...


Primeiro veio o Combo McDonalds, depois a NET com aqueles comerciais irritantes e agora o Tumbrl !

Pra começar, em 2009, 9 entre 10 posts na blogosfera tecnológica foram sobre Mídias Sociais e o 10º foi esquecido pela população. E agora, adivinha, chegou mais uma para nos atormentar, o Tumblr.

Um serviço de postagens conhecido pela facilidade e simplicidade oferecida ao usuário, lógico, comparado a interfaces e plataformas de serviços de blogging, como o Blogger e o Wordpress: o cadastro é rápido e as ferramentas para atualização disponíveis são simples e até que intuitivas, fazendo com que o usuário possa postar textos(blogger), fotos(flickr), músicas(lastfm), links(twitter), citações(de novo twitter) e vídeos(vimeo) diretamente de qualquer gadget, seja e-talking ou m-talking, que tenha acesso a internet sem dificuldades.

O serviço foi criado em 2007, por David Karp, com a ajuda de Marco Arment no desenvolvimento. Mesmo com este curto tempo de vida, a rede já conta com 1.095.384 blogs (ou no caso tumblelogs) e mais de 118 milhões de posts.

O QUE ELE TEM DE LEGAL??

Você pode seguir os blogueiros dessa plataforma, o que facilita muito, já que não conseguimos seguir nossas leituras no Blogger ou Wordpress. Em relação a feedbacks, o sistema não conta com as páginas de comentários, mas conta com “likes”, semelhante aos “props” distribuídos no Blip.FM ou aos “diggs” que se dá a uma notícia no Digg. Quanto mais “likes” um post tiver, mais popular entre os leitores ele é.

O QUE ELE TEM DE BOM PRO MERCADO??

Ele já vem com Ferramentas de Mensuração. Tumblarity é a unidade que mede a popularidade dentro do Tumblr. O valor de cada blog, atualizado diariamente, é calculado levando-se em conta a periodicidade de atualizações, o número de seguidores que possui o usuário, originalidade de seu conteúdo, número de re-postagens de outros usuários e número de “likes”. Na tela de verificação da Tumblarity, é possível checar em que posição um blog se encontra em relação a outros usuários do mesmo país.

E aí, tá confuso? Se animou?

O TUMBRL é o tipíco programa perfeito, mas totalmente não-pop. Vamos dar tempo ao tempo e ver se ele pega como os hits das mídias sociais ou se passa despercebido como muitos outros que vieram !

Fonte: Riot multimídia

SEJA

Tentando atingir todos os perfis de uma revista, em que o publico é nada mais, nada menos que a grande massa.

A Veja ganhou neste final de semana a campanha “Mania Veja” criada pela AlmapBBDO. Trocando o V pelo S, fazendo com que os adjetivos sejam direcionados aos leitores de diferentes publicações da Editora Abril, como por exemplo, “Seja Descolada”, para as mulheres jovens que lêem a Gloss.

Ficha Técnica

Anunciante: Editora Abril
Título: Seja
Produto: VEJA
Diretor de Criação: Marcello Serpa
Criação: Frederico Sekkel, Manoel Zanzoti, Carlos Garcia
Produtor Gráfico: José Roberto Bezerra
Atendimento: Fernão Cosi, Ana Carolina Boccia, Caroline Gouveia
Mídia: Flávio De Pauw, Fernando Vida, Orivaldo Rocha, Haroldo Peçanha
Aprovação: Claudio Ferreira, Simone Souza


Ficha Técnica – Internet
Anunciante: Editora Abril
Título: Seja
Produto: VEJA
Diretor de Criação: Marcello Serpa, Sérgio Mugnaini
Criação: Frederico Sekkel, Manoel Zanzoti, Carlos Garcia, Daniel Barros
Programação: Yves Almeida
Diretor de Tecnologia: Raphael Strada
Atendimento: Fernão Cosi, Ana Carolina Boccia, Carol Gouveia
Mídia: Ricardo Medeiros, Leandro Fonseca
Aprovação: Claudio Ferreira, Simone Souza

Fonte: CCSP

SUNDAYS ARE FUN DAYS


Nesse domingo ocorreu o lançamento do Blue Sunday, projeto de domingueira do mais novo bar do grupo de SP, o 1820-The Blue Bar. E parece que eles andaram lendo o MKTFOCUS ( )e seguiram as tendências para ter uma noite de sucesso em pleno domingo.

Uma grande amiga e olheira desse blog que esteve por lá conferiu de perto todos os aspectos que tornaram e vão tornar ainda mais a Blue Sunday, um sucesso:

1. O público brasileiro precisa acostumar a sair mais cedo, já que se infincou na cultura clubber do país, as festas começarem cada vez mais tarde e o povo chegar mais tarde ainda. O Blue Sunday colocou shows marcados para o meio da tarde e todo mundo chegou cedo pra acompanhar;

2. As festas precisam passar a imagem que está implícita nelas de clima clean & casual, ou seja, nada de música pesada, excesso de drinks alcoolicos e claro, terminarem cedo, já que não adianta nada começar às 15h e terminarem 01h da manhã. O Blue Sunday deixou o bar 1820 com uma cara de pub inglês em dia de jogo misturado com feijoada em dia de Carnaval, e tudo isso sem perder a identidade de high society que ele prega. Até karaokê tinha pra galera !!

PRONTO ! A coisa funcionou, mudança de comportamento precisa ser incentivada!!

Vamos esperar novos projetos para o dia mais discriminado da cena noturna e gastronômica de São Paulo. Ainda não vou chamar o Blue Sunday de Trendy Alert Confirmado, mas que tá faltando pouco, ah isso tá !

(obs. antes que perguntem, a foto acima de nada tem a ver com o bar cinco estrelas 1820/ Blue Bar).

Agradecimentos: Vicky Barros - observadora e amiga de quem vos fala

9/24/2009

A importância da cultura de moda pro mercado


Semana passada finalizei um projeto pra uma grande rede de lojas de departamento no Brasil sobre cultura de moda atual e as principais tendências de consumo que podem vir nesse caminho. A pesquisa mostrou dados interessantes que explicam bem o porquê não de existirem filas na porta da Louis Vuitton de SP como na de Osaka e porque as linhas assinadas duram meses na C&A e na Top Shop inglesa acabam em 20 minutos.

A explicação disso está na cultura de moda do país e dos desejos que inspiram os consumidores na hora de comprar roupas.

Pra começar, um mini-flashback de como surgir a moda:

O primeiro grande ícone de moda foi Luís XIV (o rei sol) no século XVII, devido a sua vaidade excessiva, através dele a França tornou-se o grande cenário ditador da moda, que no começo era instituída pelos nobres, os alfaiates apenas obedeciam a seus desejos. Porém após a segunda metade do século XIX a Alta Costura surgiu através do inglês Charles Frederic Worth, a partir daí a roupa passou a ser assinada pelo seu criador e ganhou nova dignidade, ganhou a cara do estilista. Depois disso vieram o sistema prêt-à-porter, responsável pelo sistema sazonal e pela massificação de qualidade, o surgimento das grandes magazines, sempre atendendo as necessidades da sociedade de acordo com suas modificações, e assim tem sido até os dias atuais.

A cultura muitas vezes é a resposta para sucessos e fracassos de grandes lojas, marcas e estilos no mercado, porque antes de se pensar em fazer um grupo de foco com clientes, estudar segmentação e buscar tendências no grandes bureaus e agências da área, a empresa deve pensar se a sua proposta está de acordo com a cultura da população. Esse, o maior desafio das empresas multi e transnacionais.

O Japão foi criado no sistema igualitário, tanto na estética (olhos puxados e cabelo lisos) quanto no sistema de governo e por isso, marcas, logomarcas e estéticas compráveis são buscadas freneticamente. Marcas com clima ocidental, que definem tribos e que valorizam status são muito requisitadas. Louis Vuitton, Gucci e Hermés são compradas como água. Listas de espera, filas nas portas e lojas lotadas marcam essas as lojas dessas marcas na terra do sol nascente.

A França respira moda a séculos e as marcas que respiram modernidade para nós, transpiram tradição para os franceses. As lojas nunca estão lotadas, os preços sempre são os mesmos (caros) e os clientes compram as roupas SEMPRE. São fiéis as marcas e buscam acima de qualquer coisa: QUALIDADE.

Ingleses e americanos, por mais distintos que sejam, possuem uma característica em comum que define muuuito as ações de grandes lojas e marcas de moda, O PREÇO !

Eles conhecem moda e sabem o que é tendência, mas não gastam um dólar a mais pelo status da marca (salvo os mavens e globaltrotters). Semanas de liquidação e outlets representam bem a relação dos consumidores desses países com a moda e a principal resposta de mercado pra isso, aliás, a melhor resposta na minha opinião já criada, são as coleções assinadas !

Criar uma coleção assinada por Calvin Klein para a Target ou Stella McCartney para Top Shop é buscar no âmago dos consumidores a melhor resposta de mercado, criando assim uma característica cultural desse país.

Os novos ricos, vulgo Brasil, Rússia, China e Índia, são muito amadores no quesito cultura de moda e ainda estão criando uma identidade de consumo e por isso mesmo, muito ainda se deduz nas ações de marketing.

Mas um pequeno perfil do brasileiro já pode ser mostrado, e a partir dele e do estudo dele, será possível, um dia, as marcas acertarem em cheio nas ações e na venda de moda.

CONSUMIDOR DE MODA BRASILEIRO: a possibilidade de parcelamento diminui a aversão a risco dos preços e o alto nível de consumo de mídia de massa, aumenta o consumo de tendências, gerando compras de alguns itens por meses e meses, muito depois do item deixar de ser tendência de moda, tornando-se tendência de rua. As marcas também sofrem do efeito de tendência e para uma marca pegar no Brasil, ela precisa produzir o item must have da estação. O efeito trickle down (tendência de moda de cima pra baixo na pirâmide) é a característica mais eminente, uma marca do pret-a-porter cria um item must-have, mas o brasileiro só vai correr atrás do produto ou deixar as prateleiras vazias quando ele for vendido pela loja de departamento famosa.

Muito ainda existe de informação sobre isso, mas o espaço do blog é pequeno e o estudo custou caro pra sair cuspindo tudo aqui. Aos poucos mais informações estarão disponíveis e as respostas de mercado vão aparecer aos poucos, algumas delas já estão por aí, basta prestar atenção !

Victor Hugo acha que o brasileiro é japonês, C&A acha que o brasileiro é americano, Ricardo Almeida acha que brasileiro é inglês e felizmente a Melissa já mostra ao mundo que o brasileiro é brasileiro mesmo !

E VOCÊ, SE ACHA PARECIDO COM O PERFIL DO BRASILEIRO OU É UM GLOBETROTTER ASSUMIDO?

dados sintetisados do portal wgsn.

9/22/2009

WELLNESS


Você sabe o que está comendo? Não? Então agora irá saber.

Com a grande quantidade de linhas de produtos que temos disponíveis do mercado, o consumidor que exige qualidade, sempre pesquisa por produtos que mostrem quais são os nutrientes e vitaminas que fazem parte da sua composição. Muitas vezes o cliente se depara com diversos termos novos como “este produto possui vitamina x”, “produto a base de Y”, mas como saber qual produto é o melhor e de onde vem toda essa tecnologia que faz a qualidade de cada marca dentre tantas opções disponíveis nas gôndolas dos supermercados hoje?

Aproveitando essa dúvida de muitos consumidores, a DSM criou um selo em que irá rotular os alimentos que são produzidos com a tecnologia que a marca oferece. "Vamos adotar um selo para estampar as embalagens dos produtos dos nossos clientes no Brasil de forma a indicar a qualidade, rastreabilidade e sustentabilidade dos ingredientes", afirma Eduardo Estrada, presidente da DSM na América Latina.

A empresa tem como clientes não só multinacionais como Nestlé, Kraft e Unilever, mas também grupos nacionais como Sadia/Perdigão e Ambev. E é claro que você já comeu algo de uma delas, sem ao menos saber da influência da DSM nos produtos.

Uma forma de destacar bons alimentos para quem procura qualidade, além de ler o rótulo com os nutrientes em cada embalagem.

Confira o conceito Quality For Life da DSM.

TREND ALERT !

Prevendo tendências pra 2055...



Quando a conscientização não é mais o suficiente.

9/16/2009

Preparados para o Futuro

Não existe nada mais fast forward no mundo da internet do que a WEB 3.0

Muito ainda se pesquisa e do mesmo jeito que até hoje os críticos achem que web 2.0 é apenas um termo de marketing sem nenhum sentido aparente, Google, Skype e Yahoo já estão envolvidas no que promete ser a realidade da internet num espaço de 5 a 10 anos.

Muito há sobre essa assunto, e esse é meu tema da semana (tomara que dos próximos meses) de pesquisa dentro do Trend Lab que trabalho. Os setores que já começam a dar seus sinais nesse caminho são: Design, Telecomunicações e Database Process; mas antes de cuspir em vocês tantas coisas que ainda são meros sinais da mudança, entendam vocês mesmos o que é a WEB 3.0



Fonte: Vídeo cortesia da Dutch ICT e destaque da pesquisa para PUC-Rio.

9/15/2009

E se Joe fosse um gestor de marketing ?!


(...) Katie tem um namorado, chamado Joe, que não pode ser classificado com um homem romântico, nem de perto. Um dia Kate se revoltou e reclamou com ele que nunca havia recebido dele nem sequer uma carta de amor que representasse sua paixão por ela.

O que ele fez????

Criou sua própria versão da carta de amor que Katie tanto esperava: O site What Katie Wore !!

Funciona assim: Todos os dias ele fotografa Katie em seu look do dia e posta lá. O site tinha a promessa inicial de durar um ano. Joe começou com a brincadeira em janeiro de 2009, e o mais impressionante é que Katie ainda não repetiu um visual inteiro nenhuma vez desde então!

Acabou que a brincadeira tornou o site super famoso e Katie volta e meia é presenteada por designers (imagina se o Sartorialist descobre isso?)

Agora, o lado que torna isso tudo, um post marketeiro:

Imaginem se depois desses 9 meses de looks, looks e looks, e o site ter bombado absurdamente, Joe revelasse que as roupas da Katie são de uma nova marca chamada What Katie Wore ou melhor, se fosse uma coleção da Zara ou da TopShop edição limitada lançada exatamente agora, o período mais importante da moda no mundo !

Bom, eu tô viajando com uma coisa nova, super sinal de tendência e que realmente me chamou atenção em tanta pesquisa pro Seeds.

E você, como tornaria esse Blog em uma estratégia de marketing bem sucedida? Conta aí.

Pra seguir a Katie e conhecer o blog:

www.whatkatiewore.com
@whatkatiewore

Política e Web 2.0

Quando o assunto é política eu prefiro ficar calado, pois se começo a falar e jogar todas as minhas idéias do meu lado “revolucionário” no mundo e principalmente sobre a atuação dos palhaços no Brasil, a conversa vai longe. Assim como o Fernando Dantas, eu e milhares de brasileiros que cresceram assistindo os melhores programas educativos infantis (os da TV Cultura), temos personagens marcados para o resto de nossas vidas, esses que nos ensinaram muito mais do que desenhos de luta, sonhadores e sem conteúdo. Podemos denominar de “geração cultura” os que tiverem sorte em optar por este canal maravilhoso. Hoje com o vasto leque de opções em entretenimento na televisão para as crianças, muitos com falta de conteúdo cultural, porem outros com foco educativo (como o Discovery Kids, por exemplo) também marcam a educação infantil e a personalidade de cada um pelo resto de suas vidas.

Imagem: Acervo web

Passando pela TV Cultura, onde um dos personagens mais marcantes do canal foi o professor Tiburcio, Marcelo Tas, hoje no CQC e com o seu blog que é mais do que um conteúdo esquerdista político e crítico mais sincero da web brasileira, não deixa a desejar uma revolução. Tas é mais do que conteúdo, é tendência! Brasileiros como ele que me orgulham por botar a boca no trambone e conseguir abrir os olhos de muitos, defendendo a liberdade de expressão e soltando muitos conceitos que eu, particularmente, aprovo plenamente.

Esse cara, além de ter uma influência gigantesca com o seu tom crítico e irônico na TV, também é especialista em Web 2.0. Marcelo participa de diversas palestras e eventos que abordam o tema, até mesmo no seu blog, ele deixa bem claro para o povo o que é um blog na internet, o que é uma estratégia na web 2.0 e como utilizar essas ferramentas de uma maneira correta e lucrativa em todos os termos. Marcelo disse há alguns dias atrás em seu blog, sobre o Blog do Planalto, que não é um blog! Pois nós blogueiros damos espaço para as pessoas comentarem. Dito um erro de estratégia do governo, em não dar espaço para relação com o povo Brasileiro.

Agora vamos comparar essa estratégia mesquinha de comunicação na web 2.0 do Governo Brasileiro, com o Case Obama! Nada mais justo do que seguir o que esse cara fez e está fazendo também na internet. Sigo o Twitter desse revolucionário também (com mais de 2 milhões de seguidores), pois tive empatia com uma pessoa que pode mudar o mundo e que em sua campanha, soube utilizar a web como ninguém.

Apresentação Elaborada Pela Riot – Estratégia em Mídias Sociais

9/14/2009

Nem só de drama, vive o centro


A região central de São Paulo vai ganhar ares de Fashion Week entre 21 e 25 de Setembro. Vai ocorrer na praça Patriarca a 3ª edição do FASHION DOWNTOWN.

Quem circular pela região vai poder ver de graça e sem credenciais mais de 15 marcas defilando suas coleções, incluindo Cavalera, Overboard. Montag, Contém 1g e muitas outras.

"Com o retorno da Prefeitura e das secretarias para o centro da cidade, além da presença das centrais de Bancos e da Bolsa de Valores, o complexo varejista entre as ruas São Bento, Libero Badaró e a Praça da Sé voltaram a chamar atenção do público das classes C e D", diz Marcelo Flora Stockler, diretor da Associação Comercial de São Paulo.

Dados da Associação Comercial de São Paulo mostram que o comércio varejista cresceu cerca de 25% nos últimos cinco anos. "As grandes marcas percebendo toda essa movimentação resolveram investir em novas lojas, magazines e outlets nos calçadões do centro", complementa Marcelo.

O espaço do evento contará com 1 mil m², e nesse complexo, uma área cultural mostrando a evolução da moda, workshops de cabelo e maquiagem, camarins, lounge, sala de imprensa e área VIP para convidados.

"Queremos tirar a imagem de que no centro as pessoas vão e voltam do trabalho e só. Por que não aproveitar para comprar aquele presente que precisa, ou mesmo, desfrutar das liquidações para renovar o guarda-roupas?", diz Antônio Carlos Silveira, idealizador do evento.

Muitas foram as tentativas de revitalizar o centro. Arte, Cena Clubber e Gastronomia chegaram bem perto, mas o ranso da região central se permanece. Quem sabe a moda não vai ser a superheroína do centro e trazer a livre circulação de pessoas por lá sem medo de fazer compras???

E como tudo hoje é movido pelo cyberespaço, os desfiles vão ser transmitidos ao vivo pelo site www.fashiondowntown.com.br


FASHION DOWNTOWN
ONDE: Praça Patriarca - Centro - SP
QUANDO: de 21 a 25 de setembro; das 10h às 17h

9/11/2009

A BELEZA COMO ELA É

Por Verônica Mambrini - Reprodução.

Não basta mais ter uma beleza de passarela ou capa de revista. Se não for autêntica, não tem graça. Pelo menos é o que têm mostrado diversas campanhas publicitárias e editoriais que questionam a ditadura do Photoshop, o programa de edição de fotos, e da superprodução. Na edição de setembro da revista americana "Glamour", a modelo Lizzie Miller, 20 anos, aparece confiante numa foto em que as dobrinhas da barriga estão aparentes. Os leitores reagiram com uma avalanche de elogios à publicação.

A onda começou quando o fotógrafo alemão Peter Lindebergh fez um ensaio para a edição francesa da "Elle" com beldades como Mônica Bellucci sem maquiagem ou retoques digitais.

A revista americana "Harper's Bazaar" vai repetir a dose. Cindy Crawford, Claudia Schiffer e outras modelos maduras posaram de cara limpa para a edição de setembro. Cindy deu uma entrevista à revista "Redbook" dizendo que está cansada da insistência da imprensa em flagrar suas gordurinhas.

"Admito que tenho celulite", afirmou. "Mas, de vez em quando, apenas digo: 'Que se dane, eu vou usar um biquíni.' Acho que estou bem para a minha idade. Não tenho 25 anos, tenho 43."

SORRISO LIVRE A grife Redley usou uma modelo de aparelho em sua campanha publicitária

Em 2004, a campanha Pela Real Beleza, da marca de cosméticos Dove, foi revolucionária ao incluir mulheres com vários padrões de corpo. "Buscamos fazer com que as mulheres deixassem de buscar algo inatingível", diz Fernanda Conejo, gerente de marketing da Dove. Gustavo Roese Sanfelice, professor do Centro Universitário Feevale, em Novo Hamburgo (RS), fez um estudo sobre a campanha e acredita que as mudanças nasceram da rejeição do público aos estereótipos. "As marcas individuais criam um vínculo mais pessoal com o consumidor", diz Sanfelice. Agora a publicidade está dando um passo além. Recentemente, a Natura lançou uma campanha incluindo fotos de fornecedores de matérias-primas, como os ribeirinhos. "Nosso conceito de beleza não é só a pele estar perfeita. É uma coisa mais integral, de pessoas reais", afirma Mônica Gregori, diretora de unidade de negócios. Em busca de espontaneidade, a marca de roupas carioca Redley colocou uma modelo com aparelho ortodôntico nos dentes na sua última campanha. "O consumidor não quer uma estética tão publicitária", diz o gerente de marketing Fernando Modenesi.

Outro reforço para essa onda é que ninguém mais vê uma foto de uma mulher deslumbrante e acredita que seja natural.

"Fico incomodado com a falta de veracidade. Não entendo por que uma mulher não pode ter poros, por exemplo", diz o fotógrafo de moda Clicio Barroso. "Encaro como uma aceitação do corpo feminino, bonito como ele é", diz Ignacio Aronovich, do estúdio de fotografia Lost Art.

Agradecemos ao Abigar Holanda Junior, Editor-Chefe do Mercado competitivo pela autorização para reprodução do clipping aqui no Marketing Focus.

O EMPREGO MAIS DIFÍCIL DO MUNDO

Novo filme da Nike estrelado por Luis Fabiano. Bela produção.


9/10/2009

FOLLOW US



Você tem twitter?

Quer sempre estar ligado nos nossos posts?

Siga o Marketing Focus no Twitter...

www.twitter.com/mktfocus

O leitor inteligente é a nossa energia.

Alguns dias atrás postei aqui no blog um artigo que aborda o grande fluxo de informações, como nós fazemos para equilibrar o conteúdo e “peneirar” tudo que é do nosso interesse, evitando no meio de tanta turbulência, os ruídos de informações.

Deste que surgiu o comentário do Tiago Ferreira da Silva, Jornalista que escreve no Atemporalizando com conteúdo de plena qualidade.

Faço questão de reproduzir este comentário em um post especial. Obrigado Tiago!

Acho que para vivenciar esse mundo de intensa informação é necessário uma preparação intelectual básica, para ter capacidade de interpretar cada acontecimento e saber contestar a veracidade de cada informação.

Vale lembrar que a informação tem aos montes, mas a qualidade delas não é garantida. Ouso afirmar que a maioria do que se lê por aí é duvidoso, mesmo o que sai nos grandes jornais.

Acho que muito além de tentar captar a informação que vem aos montes, deve se priorizar aquilo que interessa, aquilo que realmente vale a pena. Sou jornalista e tenho que ler aos montes, mas, quando me deparo com assuntos de economia, na boa, não resisto e viro a página. Não dá pra assimilar tudo. A vida é uma só.

As prioridades devem estar concentradas; tentar captar tudo pode te tornar um grande cidadão informado, mas certamente tomará teu tempo para se concentrar em um ramo. A informação também tira seu tempo e, citando aquela velha máxima, 'tempo é dinheiro'.

9/08/2009

A FUGA DAS GALINHAS

Enquanto o CADE (Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência) não aprova a fusão das duas marcas para criar uma das 10 maiores empresas de alimentos do mundo, a Sadia e a Perdigão vêm rebolando para se consolidarem financeiramente, porem com as atuações comerciais ainda separadas. Uma está salvando a outra do buraco, junto à previsão para entrar em 2010 com uma dívida bruta de R$8 bilhões (um saldo positivo, acredite). Desde Maio quando foi anunciada a fusão, estão esperando o “salve” do CADE para poderem começar o trabalho com foco no objetivo principal da Brasil Foods: “Ser uma das maiores e ter competitividade mundial”. O que está em aberto, é a discussão sobre o possível “cartel” que a marca pode criar no Brasil, interferindo na economia nacional e controlando o preço dos produtos que estão todos os dias na mesa de muitos brasileiros. Se tem uma coisa que me incomoda muito e que venho falando já fazem dois anos aqui no Marketing Focus, é o poder que a ELITE Brasileira possui (quando digo Elite, falo dos bancos). O Santander chegou aqui no Brasil abalando e comprando como se estivesse em uma feira, no atacado. Itau e Unibanco se uniram para ficar “mais fortes”, sem grandes problemas. É engraçado como os bancos conseguem tudo muito rápido, sem muitas barreiras, sem burburinhos no mercado, mas com uma influencia gigantesca que nenhum brasileiro vê, no senado, na mídia. Será que nós sabemos de tudo? É claro que não. Mas como bom brasileiro que vive na positividade do país, torço para que tudo de certo com todas as marcas Nacionais que entram no mercado externo, sem prejudicar suas origens, a sua terra verde e amarela.

Imagem: Tutty Vasques

9/03/2009

FINALMENTE O MARKETING NO BRASIL ADENTRO

Falar em tendência das atividades de marketing e publicidade no Brasil é muito gostoso, ainda mais quando nós conseguimos enxergar o quanto temos para explorar a comunicação em vários ramos de negócios diferentes. É claro que temos muitas áreas carentes de comunicação, mas o que me deixa muito orgulhoso, é quando vejo que o Brasil finalmente está abrindo os olhos e implantando o marketing em setores que tem uma força gigantesca no mercado mundial. Como eu venho estudando muitos temas relacionados ao agronegócio, vejo certa falta de comunicação do Brasil com o mundo nesse setor; esse que é responsável por quase 1 terço do PIB Brasileiro, não que seja ineficiente, mas que os investimentos em marketing e publicidade deveriam ser assuntos de mesa do alto escalão para aumentar as forças competitivas frente a outros emergentes fornecedores pelo mundo. E é o que está acontecendo. Sábado, dia 05.09.09 será lançado um novo programa no Canal Rural (que é a principal emissora de agronegócio do país), o Comunicar e Crescer, com exibição todos os sábados às 20h (horário nobre para a emissora). Em parceria com a ABAP (Associação Brasileira de Agências de Publicidade) o novo programa do Canal Rural tem como objetivo o desenvolvimento da comunicação no setor, que em minha opinião, fará abrir os olhos de grandes empresários e até mesmo pequenos produtores que assistem religiosamente o canal. (experiência própria de quem já passou a infância, obrigado a assistir leilões de bois em São José do Rio Preto). Enfim, mais uma notícia boa que me orgulha do Brasil.

Fonte: Marcelo Vilela - TvAqui


Quando uma arte se torna um problema.

"O tsunami matou 100 vezes mais pessoas que o 11 de setembro. O planeta é brutalmente poderoso. Respeite-o. Preserve-o."

O trabalho que perdeu o seu brilho e se tornou um problema de imagem para duas organizações. Foi o que aconteceu com uma peça produzida pela DM9 para a WWF, que não aprovou por justa causa. O problema começou ao lançarem a peça no cyberspaço, causando muita polêmica nas gringas (veja no Advertising Age). Em nota, a DM9 disse que os funcionários que produziram a peça no ano passado não trabalham mais na agência. É quando eu digo "deixando de ser confidencial, se torna um risco auto-destruidor".