Páginas

6/23/2009

McCruelty

Alguns dias atrás relatamos aqui no MktFocus em um post sobre a força e a influência que os consumidores tem perante a uma marca. Da mesma forma que eles podem ser extremamente importantes ao fornecer informações para melhoras de produtos e serviços, e também na liberdade de expressão sobre as marcas em redes sociais, como orkut, facebook, twitter e outros. Geralmente esses consumidores são os renitentes, que no mercado procuram sempre a valorização do ser humano consumidor, possuem plena consciência dos seus direitos, dão valor ao dinheiro gasto e exigem perfeição em tudo que lhe é de suas expectativas. Quando ele está satisfeito é ótimo para ajudar a construir uma marca. Agora caso um consumidor renitente esteja irritado, inconformado, insatisfeito e com ódio extremo, ele sozinho é capaz de destruir a imagem de uma marca pelos canais de comunicações atuais disponíveis hoje.

Mas tirando todos esses tipos de consumidores, temos também os que não consomem determinadas marcas, mas exigem mudanças na atuação delas no mercado e no impacto causado pela empresas na sociedade e no meio ambiente. Esses consumidores estão aptos a fazer de tudo para mostrar a outra faceta de uma marca, ou seja, mostrar o lado ruim de tudo que uma empresa tem de impacto no mundo, tirando seus benefícios oferecidos pelos produtos e serviços. Eles estão aí, sãos ONGs, ativistas e outros grupos de pessoas no mundo inteiro que trabalham muitas vezes em conjunto para preservar, mostrar e exigir a responsabilidade social e ambiental das empresas.


Também nos deparamos com campanhas contraditórias desses grupos, em que muitas vezes não cabem a idéia de um consumidor ou outro, ou seja, não tem como resultado o mesmo efeito as necessidades de cada ser humano e não faz diferença considerável nas margens de venda de determinada marca acusada por um grupo. Como uma campanha da organização pelos direitos animais, a PETA (People for the Ethical Treatment of Animals), que já fez diversas badernas, esteve nas ruas de Chicago com uma campanha contra o Mac Donald’s abordando a crueldade ao abater animais como o frango. Com um palhaço assassino e uma assinatura arquétipa da marca “I’m hating it” o grupo segue além das ruas e possui até um site na Internet www.McCruelty.com que aborda a campanha da crueldade com os frangos.


Além disso, um vídeo com um documentário sobre a campanha com imagens e depoimentos dos seguidores do grupo também foi lançado na rede:





Não vou comentar sobre a campanha, pois morei no interior de SP e já vi galinha sendo morta na minha frente, aliás, quando vou ao Rio de Janeiro adoro comer no KFC (risos).

7 comentários:

Raphael disse...

aff.. q o McDonalds exploda!
eahuaehuaeeaae

Luiz Lukas disse...

Acredito que a população inteira tem uma mania de escândalos por escândalos...
Não sabem, acreditam ou não se importam com determinadas coisas e ainda assim vai lá fazer um auê só para tentar aparecer na mídia. (toda regra tem sua exceção)

FAGGH® disse...

putz eu curto um Mcnegdoublenegg´s
é muito bom sempre vou no Mc e como um monte , sorte que sou Magro (não sei até quando) rsrsrsrs

abrç

www.celebritypoke.blogspot.com

Estêvão dos Anjos disse...

Vale lembrar que algumas dessas anti-propaganda pode funcionar de modo contrário e servir como publicidade do msm jeito. Acho que vi algo do tipo nas minhas aulas de publicidade e propaganda :p
pena que essas Ongs e esses ativistas tenham pouco espaço e atinjam poucas pessoas

Breno disse...

E viva os EUA!!!

J.F. Marques disse...

O povo já se acostumou a comer o que é bom, se frango é bom, o povo come, se boi é bom, o povo come. Assim como se merda fosse boa, o povo comeria também.
Eu acho que é o povo que faz a marca, caso do Mc.
Parabéns pelo blog.

melke disse...

num precisa quebrar as pernas dos franguinhos.. rs