1/26/2010

A Hora do Spotify


Há algum tempo atrás quando abordei o fim da era do download na geração Y citei um dos serviços que mais tinha potencial de crescimento em música online, o Spotify.

O novo sistema está caminhando para ser um negócio sustentável na internet, qualquer serviço de mídia com controle total sobre o digital chama muita atenção hoje, porque é algo extremamente raro.

Ainda não disponível no Brasil, o Spotify é um serviço de streaming de música lançado em meados de 2006. Além de ser muito fácil de usar, o serviço se destacou por se posicionar como a ONU no mundo da música agradando gravadoras e usuários, um dos resultados mais difíceis de conseguir no mercado de música online, sendo citado até em relatórios da Federação Fonográfica.

O Spotify possui uma versão gratuita e outra paga e dá acesso a mais de 6,5 milhões de músicas. Tudo legalizado.

Para se tornar um negócio sustentável, o Spotify precisa que 10% de seus usuários assinem a versão paga (premium), que custa EU$9,99 por mês (mais ou menos R$ 25) para sustentar os usuários da versão gratuita. Por enquanto, apenas 5% a assinam, mas o crescimento está mais rápido do que o esperado. Em 2009, 250 mil usuários entraram para a versão paga, que dá direito a versão móvel do serviço, qualidade melhor de áudio, além da possibilidade de ouvir as músicas em modo offline, sem estar conectado à internet, uma coisa quase ignorada hoje.

O modelo de negócios do Spotify em si não tem nada de novo, mas está sendo bem executado. É o mesmo utilizado pelo Flickr, WordPress, Google (Gmail e Google Apps) e outros serviços de grife na web. O gratuito servindo de isca para o pago, a versão paga sustenta a gratuita. Ainda veremos muito disso nessa nova década, podem esperar.

É quase certo que os usuários da versão premium não estão pagando pela música em si, mas por comodidade, experiência e economia de tempo (não ter que ficar procurando por uma música).

Quando a internet saiu do mundo acadêmico e “virou comercial” existia um mito de que ninguém toleraria, de forma alguma, publicidade na web. Hoje a gente vê que as coisas não são bem assim. Spotify, por sua vez, prova que a premissa existente de que ninguém paga por um serviço online de música também não é bem assim. Realmente ninguém quer pagar pro música online, mas todo mundo paga por comodidade.

Imagem: Jon Aslund
Postar um comentário